08 de Fevereiro de 2018
Aborto

Os Bispos da Irlanda: “Cultivar o precioso dom da vida”

As mensagens pastorais em vista do referendo sobre o aborto. O primaz Martin: “Sejam missionários para a causa da vida”

Se a sociedade aceita que um ser humano tenha o direito de pôr fim à vida de outro, então não é mais possível reivindicar o direito à vida como um direito humano fundamental para cada um”.

É assim que o bispo de Elphin, Kevin Doran, presidente do grupo de bioética da Comissão Episcopal Irlandesa, expressa-se em uma mensagem pastoral publicada há alguns dias sobre a questão do aborto, tendo em vista o referendo sobre o tema para o verão.

Se concedemos qualquer motivo para o aborto, os mesmos argumentos - ele acrescenta - serão utilizados para justificar o fim da vida de idosos, frágeis ou com deficiência significativa. Se atravessarmos esta fronteira, não será fácil voltar atrás”. O bispo então escreve que as consequências de uma possível remoção da Constituição do art. 40.3.3 - a chamada “emenda pró-vida” -, seriam graves porque eliminariam da Constituição o “referendo ao direito à vida” da mãe e filho, sem substituí-lo por nada: “seria como um cheque em branco” nas mãos do governo, livre no futuro, para introduzir qualquer regime de aborto.

Uma mensagem em defesa da vida também veio do primaz católico de toda a Irlanda, o arcebispo Eamon Martin, que instou os membros da Igreja a se tornarem “missionários pela causa da vida” em vista do referendo. Em sua mensagem pastoral, o arcebispo disse que os católicos devem ignorar as “fortes pressões para permanecer em silêncio” e falar com seus parentes, amigos, colegas e representantes públicos sobre a importância de “cultivar o precioso dom da vida desde a concepção até a morte natural”.