12 de Maio de 2017
Livros

Sexualmente (quase) liberados

O ensaio de Thérése Hargot, observatório laica na afetividade (não completamente) perdida

Na base, uma pergunta. Que fizemos da liberalização sexual conquistada nos anos sessenta? Começa aqui de Thérése Hargot, sexóloga belga 33 anos de idade graduada em Filosofia e especializada em Ciências Sociais na Sorbonne, em sua pesquisa o que levou ao livro “Uma juventude sexualmente liberal (ou quase)”, o primeiro livro publicado na Itália pela terapeuta e professora que vive em Paris e com o seu ensaio, ela chocou a França. O que emergiu é um quadro de certa forma dramático, mas a realidade sobre a sexualidade dos adultos e especialmente dos jovens.

O Thérése Hargot tour fez uma parada em Roma no dia Internacional da Mulher, e a apresentação do livro, no Largo di Torre Argentina, contou com a presença da jornalista católica Constance Miriano e Alessandra Di Pietro, que se autodenomina “uma jornalista, feminista e biofílica”. No diálogo entre as três mulheres foram abordados os mais diversos temas, desde a método contraceptivo para as ações rosas, passando pela pornografia e sexualidade precoce para alcançar a igualdade dos gêneros, uma miragem também e sobretudo em um período de aparente liberdade para as mulheres. “Na verdade – explicou Hargot, cujo ponto de vista seja puramente secular – a suposta revolução de trinta anos atrás, levou de obediência a outra, onde a mulher continua a ser uma escrava.” A partir da contracepção hormonal muito anunciada: “Em nome de que devemos correr o risco de uma doença cardiovascular em nosso corpo para introduzir uma pílula que é, além disso, também nocivo para o ambiente, uma vez que deriva de processos de síntese fabricado no laboratório?”. Além disso, a contracepção hormonal bem como a possibilidade de “programar” a maternidade mudaram profundamente a abordagem psicológica das mulheres a gravidez, tanto que “optar por ter um filho leva a esperar filhos perfeitos e a pretensão de ser mães impecáveis. Você poderia ter um aborto, mas você manteve, então você tem o dever de ser uma boa mãe. Você não pode dizer que está cansada, ou que é difícil. Se o seu filho tem um problema, o problema é seu, porque você poderia não tê-lo, mas você quis. Uma contracepção assim responde aos desejos das mulheres de hoje? Acho que você precisa de alternativas”. 

Neste sentido, algumas feministas falharam nas suas promessas feitas às mulheres, na elaboração de um modelo de emulação, continuou Hargot, “queremos trabalhar, ganhar e viver exatamente como os homens, fazendo-nos tornar cópias pálidas de machos em vez de exaltar-nos e valorizar-nos em nossas maravilhosas peculiaridades: infelizmente, é o que acontece quando o feminismo anda de mãos dadas com o liberalismo, o corpo feminino torna-se o capital e perde a sua identidade”.

Para a causa das mulheres, de acordo com a sexóloga, “não servem tanto as ações rosas”, como “o repensar do mundo do trabalho, a valorização do tempo parcial, por exemplo, e a passagem da concepção linear para cíclica do interprofissional”. Só assim poderia evitar curto-circuitos que levam os jovens a esperar para ter o trabalho e depois a casa antes de pensar em um filho, “por isso, se ele não vem pode se fazer inseminação artificial ou procurar uma mãe de aluguel. Isso é um absurdo. Nosso corpo não é uma moeda de troca, mas por que seja assim ocorre um novo modelo de sociedade onde a dominar não seja o dinheiro”. Nem o “consenso moral”: “A sexualidade é o lugar onde buscamos uma resposta para as perguntas de nossa existência. Estamos em conformidade com o desejo do outro, na esperança de sentir-nos amados. Nós trocamos a nossa liberdade para haver conformidade do casal, um contexto que pode realmente tornar-se perigoso se cada um de seus membros construiu sua identidade: o casal feliz – concluiu – é composto de dois celibatários felizes”.