03 de Outubro de 2018
Visite ad limina

A difícil mas atraente missão dos leigos no coração ferido da Venezuela

No dia 13 de setembro, um grande grupo de bispos da Venezuela estiveram em nosso Dicastério como parte de sua visita ad limina. Os bispos fotografaram um país que enfrenta sérias dificuldades políticas, econômicas e sociais.

Com uma inflação nas alturas, muitas famílias se empobreceram e estão cada vez mais lutando para ter acesso a necessidades básicas como água, remédios, comida, trabalho. Neste contexto, os casos de desnutrição, mortes por falta de cuidados, abandono de idosos e crianças crescem, mas acima de tudo a miséria pressiona um grande número de venezuelanos a escolher o caminho do êxodo de suas terras em busca de uma vida melhor. Nesta luta pela sobrevivência, os valores tradicionais do bem comum e da coexistência civil, da sacralidade da vida humana, são corroídos. O individualismo está crescendo, as famílias estão desmoronando, muitos jovens se entregam à violência, à prostituição ou acabam no narcotráfico e no tráfico de órgãos.

Sem desanimar, os pastores da Igreja na Venezuela não param de denunciar os pecados sociais que mais atingem suas vítimas entre os setores mais frágeis da população: mulheres, crianças, jovens e idosos. Mesmo à custa de atrair a ira dos políticos, eles se alinham ao lado de seu povo, trazendo apoio material aos necessitados com os poucos recursos disponíveis e cultivando a esperança nas almas. Complementando seu compromisso pastoral nos últimos anos foram principalmente as conclusões do Conselho Plenário que se realizou no país de 2000 a 2006 com o objetivo de reavivar a evangelização. Um dos documentos finais, fruto desse caminho eclesial, dizia respeito aos leigos e contribuía substancialmente para dar novo ímpeto ao seu apostolado, especialmente o dos leigos não associados. Houve uma maior conscientização de seu papel na Igreja. Os leigos estão ansiosos para formar-se mais, e para apoiar esse desejo de aprofundar sua fé, nasceram vários institutos de formação para eles. Mesmo a difícil conjuntura que rasga o país durante décadas tem sido apreendida pelos próprios leigos como uma oportunidade de se organizarem em grupos de apoio mútuo, onde muitas vezes a disposição de chegar aos pobres não é dos mais ricos, mas dos pobres que ajudam os outros pobres.

A V Conferência do Episcopado Latino-americano de 2007 representou outro momento significativo na vida da Igreja venezuelana. Em 2009, com base no documento de Aparecida, a conferência episcopal venezuelana lançou a Grande Missão Continental. Desde então, muita estrada foi feita. Mas hoje, os bispos não escondem a necessidade urgente de voltar a investir na pastoral familiar, um campo em que ainda faltam agentes adequadamente preparados. As dificuldades das famílias aumentaram. Novos desafios surgiram: divórcio fácil, emigração, secularização, modelos culturais não publicados. E para enfrentar esses desafios, a Igreja venezuelana sabe que deve, em primeiro lugar, confiar os mesmos cônjuges leigos.

Tomando as sugestões do Documento de Puebla (1979), que sancionou entre outras coisas a opção preferencial pelos jovens, a Igreja venezuelana fortaleceu por algum tempo o seu ministério de jovens, consciente dos grandes riscos a que estão expostos. De fato, o cuidado pastoral dos jovens é bem articulado em todos os níveis. Isso também se beneficiou enormemente da experiência das Jornadas Mundiais da Juventude, da qual os jovens venezuelanos participam assiduamente e em números cada vez maiores desde a edição de Paris de 1997. Seguindo o “modelo JMJ”, a Conferência Episcopal prepara um plano pastoral a cada três anos que culmina na organização das Jornadas Nacionais da Juventude Venezuelana, das quais participam até 13.000 jovens a cada vez.