27 de Junho de 2018
Ad limina

Uma família entre luzes e sombras

Bispos de Uganda em sua visita ad limina

No dia 22 de junho, os Bispos da Uganda fizeram paradas em nosso Dicastério, por ocasião de sua visita ad limina a Roma. No centro do intercâmbio entre os bispos africanos e os superiores do Dicastério, estavam os temas dos jovens, da família e das associações leigas.

O Uganda é um país muito jovem, com quase 78% da população com menos de 30 anos e 52% com menos de 18 anos. Se, por um lado, esta figura representa uma fonte indiscutível de esperança para o presente e o futuro da nação, por outro lado, preocupa por causa dos muitos desafios enfrentados pelos jovens. De fato, muitos anos de conflito sangrento no norte do país marcaram a vida de muitas crianças-soldados e alimentaram um clima geral de insegurança e de violência, no qual estão arraigadas as muitas dificuldades sociais dos jovens ugandenses hoje: desemprego, delinquência, drogas, álcool, pobreza, analfabetismo ... A pagar o preço mais alto, estão sobretudo os mais jovens das zonas rurais que sofrem de uma taxa muito elevada de analfabetismo. Muitas vezes, isso os impede de muitas propostas profissionais e pastorais. O desafio da pastoral dos jovens nesse sentido é garantir que os jovens mais afortunados se tornem os apóstolos de seus pares em maior risco.

Falando da família em Uganda, os bispos destacaram as luzes e sombras. Em geral, as famílias ugandenses ainda acolhem à vida e ao dom dos filhos, mas a poligamia, a violência doméstica, a pobreza, o impacto negativo das ideologias ocidentais representam hoje tantos fatores desestabilizadores para a instituição do matrimônio em Uganda. Não por acaso, separações e divórcios crescem, e o número de filhos nascidos fora do casamento é sempre maior. A resposta da Igreja a este desafio histórico centra-se na formação de casais para que eles próprios possam evangelizar outros casais. Por essa razão, a Igreja ugandense adotou Amoris Laetitia, "uma excelente catequese para as famílias" e uma formidável ferramenta de formação a ser inculturada para torná-la adequada à realidade de sua Igreja local.

Finalmente, surgiu o tema dos movimentos e associações leigas. Por unanimidade, os bispos expressaram seu agradecimento por seu dinamismo e, sobretudo, pelo aprofundamento da fé e do testemunho cristão na sociedade a que muitos leigos ugandenses chegaram hoje graças ao acompanhamento e graças à formação que oferecem. No entanto, eles notaram que, com alguns deles, persistem dificuldades de integração no entrelaçamento eclesial e o constante sentimento de que constituem uma Igreja paralela.