31 de Janeiro de 2019
JMJ do Panamá 2019

Da vigília à Lisboa 2022

As últimas páginas do diário desta extraordinária aventura que foi a Jornada Mundial da Juventude

Sábado. “Vigília” não é “o dia anterior” mas, no uso antigo, o fato de vigiar, de estar atentos ao que está para acontecer, a preparação também espiritual para a festa. Hoje, portanto, é dia de vigília e é dia de vigiar e as duas coisas são uma única espera, uma preparação e um refinar a própria atenção para o que está sendo vivido aqui no Panamá.

Para o Santo Padre a jornada começa com a dedicação do altar da Catedral Basílica de Santa Maria la Antigua depois de um longo tempo de restauração – “Irmãos, não deixemos roubar a beleza que herdamos de nossos pais!”, disse o Papa – para continuar com o almoço tradicional com alguns jovens – sete dos cinco continentes.

E aqui estamos no Campo San Giovanni Paolo II, no Panamá Metro Park. E aqui estamos nós, na Vigília, que os jovens realmente alcançaram em peregrinação pelas ruas da cidade, para milhares e centenas de milhares. E aqui estamos à noite e à espera, ao Papa Francisco, que novamente vem entre os jovens e primeiro, escuta, observa, participa. Ouve os testemunhos de uma família e de dois jovens cujas vidas são marcadas por dificuldades, mas também pelo amor de Jesus: observe as coreografias, os rostos dos jovens, Maria – a Maria que apareceu em Fátima – que está ao lado dele no palco.

Então ele fala e em suas palavras faz ressoar as dificuldades que ele acabou de ouvir: “Dizer ‘sim’ ao Senhor significa ter a coragem de abraçar a vida como ela vem, com toda a sua fragilidade e pequenez e muitas vezes até com todas as suas contradições e falta de sentido”.

Sua participação se estende às dificuldades que muitos jovens experimentam em diferentes situações: “Sem trabalho, sem educação, sem comunidade, sem família”: são os quatro “sem” que “matam”, pontua o Papa Francisco, para então propor o exemplo dos santos  – “encontrar espaços onde, com suas mãos, seu coração e com sua cabeça, você possa se sentir parte de uma comunidade maior que precisa de você e da qual você também precisa … Isso fizeram os santos: eles tiveram a coragem de olhar para os jovens com os olhos de Deus” – para finalmente chegar à questão crucial: “Vocês foram criados para algo maior: estão dispostos a dizer ‘sim’?”. “o Evangelho – recordou o Papa –nos ensina que o mundo não será melhor porque haverá menos doentes, debilitados, frágeis ou idosos para cuidar e não porque haverá menos pecadores, mas isso será melhor quando mais pessoas, como esses amigos, estiverem dispostas e tiverem a coragem de dar a luz ao amanhã e acreditar no poder transformador do amor de Deus”. “Você quer ser um ‘influenciador’ no estilo de Maria, que teve a coragem de dizer ‘faça-se em mim’?”. Eis, “Só o amor nos torna mais humanos, mais plenos, tudo o mais é bom, mas eles são placebos vazios”.

O Papa vai embora depois da adoração eucarística. Aos jovens restam estas palavras simples e fortes. Talvez alguém, como Maria, tenha meditado silenciosamente em seu coração durante a noite toda.

 

Domingo. As palavras de ontem sobre a vida e o amor voltam hoje, vividas em comunhão eucarística por essa multidão de jovens, seus bispos e sacerdotes, pelos voluntários que trabalharam tão arduamente para preparar estes dias e também pelos profissionais de mídia que divulgaram em todo o mundo.

Fé vivida, verdadeira comunhão, bandeiras que não se dividem, mas mostram quão rico, multiforme, surpreende tanto o povo de Deus que se encontra unido em torno de Cristo e do Papa Francisco.

Eles retornam nos gestos e na homilia do Papa: “Deus é real porque o amor é real, Deus é concreto porque o amor é concreto”; esta concretude para os jovens significa que “não sois o futuro, mas o agora de Deus”, não é uma questão de permanecer em uma “sala de espera” esperando por sua vez, mas de fazer o amor de Deus agir na própria vida. “Podemos ter tudo, mas se falta a paixão do amor, tudo faltará”, disse o papa Francisco, ainda falando de um tema que há muito vem propondo aos jovens o intercâmbio intergeracional: “A riqueza da escuta entre gerações, a riqueza da troca e o valor de reconhecer que precisamos uns dos outros, que devemos nos esforçar para favorecer canais e espaços nos quais podemos nos envolver em sonhar e construir o amanhã a partir de hoje”. O Papa concluiu: “Quereis viver a concretude de seu amor? O vosso ‘sim’ continue a ser a porta de entrada para o Espírito Santo para dar um novo Pentecostes ao mundo e à Igreja”. Em seguida, com o Cardeal Farrell, Prefeito do Dicastério para os Leigos, a Família e a Vida, anunciou a próxima Jornada Mundial da Juventude: em Lisboa, Portugal, em 2022.Dois outros eventos marcaram o dia do Papa Francisco. Visita à Casa do Bom Samaritano, que atende 60 jovens e adultos em dificuldade, incluindo os portadores de AIDS: “Estar aqui é toca a face silenciosa e materna da Igreja” - disse o Santo Padre – e “Uma casa todos nós sabemos muito bem, precisa da cooperação de todos. Ninguém pode ser indiferente ou estrangeiro, porque todo mundo é uma pedra necessária para a sua construção”.

Depois, no estádio Rommel Fernandez, o encontro com 20.000 voluntários, mais de 2.000 deles internacionais, que trabalharam para tornar este evento possível, o valor do dom de si e sacrifício por algo maior: para eles também um convite missionário: “vão e falem, sigam e testemunhem, não com muitas palavras, mas com ações simples e cotidianas”.

 

Segunda. Um primeiro balanço, quente. O que o Panamá deu aos jovens nesta JMJ? O testemunho de que mesmo um pequeno país pode realizar grandes coisas; a descoberta de que o sorriso, a hospitalidade e a disponibilidade são chaves para ativar imediatamente a comunicação, para que qualquer pessoa se sinta em casa; o grande coração deste pequeno país e seu arcebispo, José Domingo Ulloa, que se gastou com generosidade, envolvendo todo o povo panamenho e toda a América Central neste empreendimento que parecia impossível.

Em seguida: a primeira etapa de um caminho da Igreja com os jovens após o Sínodo do ano passado dedicado a eles, com uma maior atenção à escuta e uma partilha séria e profunda dos problemas mais urgentes, daqueles sobre a identidade e o papel dos jovens na sociedade, aos temas do trabalho que falta, do cuidado e proteção da Criação, da sexualidade vivida responsavelmente, às questões de sentido diante do sofrimento e da dor.

O Papa Francisco indicou o caminho de gestos simples e cotidianos que podem revolucionar o mundo: os jovens, que estão voltando para suas casas e suas vidas cotidianas, aprenderão a valorizar a sabedoria do Santo Padre e a romper a gaiola do hábito para trazer o amor e a vida verdadeira em suas existências. Eles saberão como fazê-lo porque experimentaram aqui no Panamá. Porque aqui eles não estavam sozinhos, mas junto com seus amigos, suas comunidades, aos sacerdotes. Caminharão juntos. E mesmo que caiam, como o Papa disse na Vigília, o importante é saber como se levantar. Uma mata está no horizonte: Lisboa, 2022.