28 de Novembro de 2019
Viagem Apostólica

Palavras do Papa Francisco aos jovens da Tailândia e do Japão

"Inventaram muitas coisas, mas graças a Deus ainda não existem selfies da alma. Para ser feliz, precisamos pedir ajuda aos outros, deixar outro tirar a foto, ou seja, sair de nós mesmos e ir para os outros, principalmente os mais necessitados”. Com essas palavras, o Papa Francisco, em sua jornada apostólica, se voltou para a juventude japonesa nos últimos dias, respondendo a alguns testemunhos com um discurso

"Há homens e mulheres que se esqueceram de rir", que não conhecem o sentimento de admiração, vivem "como zumbis, seus corações pararam de bater" por causa da incapacidade de celebrar a vida com os outros, observou ele. . "Quantas pessoas no mundo - ele disse - são materialmente ricas, mas vivem como escravas da solidão sem igual! Penso na solidão que tantas pessoas, jovens e adultos, experimentam em nossas sociedades prósperas, mas muitas vezes tão anônimas".

Francesco pediu aos jovens uma mudança decisiva de prioridades, o que "implica reconhecer que o mais importante não é tudo o que possuo ou posso comprar, mas com quem posso compartilhá-lo. Não é tão importante me concentrar e me perguntar por que vivo, mas para quem vivo”. "As coisas são importantes - ele continuou - mas as pessoas são indispensáveis; sem eles, nos desumanizamos, perdemos a face, o nome e nos tornamos um objeto extra, talvez o melhor de todos, mas sempre um objeto".

A missão que o Papa confiou aos jovens, portanto, é oferecer ao mundo o testemunho de que somos "por Deus" e pelos outros: "Testifique que a amizade social, a amizade entre vocês, é possível! Esperança em um futuro baseado na cultura do encontro, da amizade, da aceitação, da fraternidade e do respeito pela dignidade de cada pessoa, especialmente para com os que mais precisam de amor e compreensão. Sem a necessidade de atacar ou desprezar, mas aprendendo a reconhecer a riqueza dos outros".

Alguns dias atrás, na Catedral tailandesa da Assunção, no coração da arquidiocese de Bangcoc, o Papa celebrou a missa diante de cerca de 10 mil jovens. Em sua homilia, o Santo Padre havia focado no futuro: "Vós sois uma nova geração, com novas esperanças, novos sonhos e novas questões; certamente também com algumas dúvidas, mas, enraizado em Cristo, convido você a manter viva a alegria e a não ter medo de olhar para o futuro com confiança”.

O Papa havia convidado: "Enraizado em Cristo, olhe com alegria e confiança. Essa condição surge do conhecimento de que somos desejados, encontrados e amados infinitamente pelo Senhor. A amizade cultivada com Jesus é o óleo necessário para iluminar o caminho, o seu caminho, mas também o de todos os que o rodeiam: amigos, vizinhos, colegas de estudo e trabalho, incluindo aqueles que discordam completamente com você".

"Sem esse forte senso de fundamentação - explicou ele -, podemos ficar perplexos com as "vozes" deste mundo, que estão competindo por nossa atenção. Muitas são propostas tentadoras e bem feitas, que a princípio parecem bonitas e intensas, mas com o tempo acabam deixando apenas o vazio, o cansaço, a solidão e a apatia, e estão extinguindo a centelha da vida que o Senhor acendeu um dia em cada um de nós".