19 de Agosto de 2020
Jovens

A pastoral juvenil a serviço do discernimento vocacional à luz da Christus Vivit

Videoconferência do Secretário com a Arquidiocese de Santiago do Chile

No sábado, 8 de agosto, Pe. Alexandre Awi Mello participou da III Mesa Vocacional, uma videoconferência com a participação de assessores da Pastoral Juvenil da Arquidiocese de Santiago do Chile. O Secretário do Dicastério para os Leigos, a Família e a Vida começou lembrando a importância do longo caminho de escuta dos jovens durante o processo sinodal e os convidou a levar em conta o documento final da reunião pré-sinodal.

Ali os jovens pedem que a vocação seja apresentada de forma simples e clara, colocando em evidência o sentido do chamado e da missão, e que não seja vista como sinônimo apenas de sacerdócio ou vida consagrada (n. 8). Eles vêem o discernimento vocacional como um grande desafio (n. 9) e uma oportunidade para a Igreja oferecer um acompanhamento adequado, que é uma necessidade profunda da juventude de hoje (n. 10).

Partindo do caminho sinodal, ainda em plena fase de implementação, Pe. Awi Mello apresentou três impulsos para uma pastoral juvenil a serviço do discernimento vocacional: uma visão renovada em relação à vocação, que deve ser vista como missão, como "ser para os outros", tirando o melhor de si mesmo para dá-lo a Deus e aos outros, e não apenas como um caminho de realização pessoal (cf. ChV 253-258); uma visão renovada em relação à Pastoral Juvenil em chave vocacional, já que a questão vocacional deve estar sempre presente, com uma perspectiva missionária, gerando uma "cultura vocacional" em todas as ações pastorais da Igreja (cf. Documento Final do Sínodo 2018, n. 138-141); e uma visão renovada em relação ao acompanhamento para o discernimento vocacional, um acompanhamento pessoal e comunitário, que ajude o jovem a realizar seus sonhos, fazer escolhas e, em particular, realizar seu projeto de vida, em um caminho de liberdade pessoal e de diálogo com Deus (cf. ChV 242-247; 291-298).