06 de Março de 2020
Coronavirus

Mensagem para os leigos e as famílias

Queridos irmãos e irmãs,

A vida que Deus nos deu, o fundamento de qualquer outro bem, é preciosa e frágil ao mesmo tempo. Sentimos essa riqueza e esse limite todos os dias, mas principalmente quando a vida é exposta a uma ameaça devido à sua dimensão espiritual e corporal, individual e social. Nesses momentos, vemos que uma sombra surge no horizonte e cobre alguns reflexos da luz divina que brilha em nossa vida. O medo de cair em perigo nos assalta e nosso coração fica inquieto. Mas como podemos esquecer as palavras de Jesus? Ele nos tranquiliza dizendo: «Nem mesmo um pardal cai no chão sem que o Pai o queira. Quanto a você, até o cabelo da sua cabeça está contado. Portanto, não tenha medo: você vale mais do que muitos pardais!» (Mt 10, 29b‒31).

            A vida humana tem um valor muito grande aos olhos de Deus: se, em algumas circunstâncias, algo atento à saúde e à vida de muitos homens, e talvez a nossa também, não devemos nos sentir sozinhos diante desse inimigo. Como nos últimos meses, em que um novo vírus está se espalhando em várias partes do mundo, capaz de infectar grupos e populações inteiras muito rapidamente, causando uma doença contagiosa chamada Covid-19. Em muitas pessoas, causa doenças leves, enquanto em outras causa um sofrimento mais sério e, em um número muito limitado de casos, pode até levar à morte.

Todos somos chamados a encarar esta emergência internacional de saúde com seriedade, serenidade e coragem, colocando-nos à disposição de alguns sacrifícios em nosso estilo de vida cotidiano pelo bem comum: o nosso bem e o de todos. Cada um é chamado a fazer sua parte, mas não sozinho: temos a proteção de Deus, que cuida de cada um de nós com amor de Pai, e homens e mulheres que compartilham conosco o caminho da vida e da solidariedade no tempo presente e no que virá. A Igreja também quer estar ao lado de cada paciente em Covid-19, a sua família e amigos, o pessoal de saúde e atendimento público que cuida de sua pessoa e estudiosos que buscam um remédio para essa patologia.

            Como o Dicastério designado pelo Santo Padre para o cuidado pastoral dos leigos, família e vida, desejamos demonstrar - neste momento de dificuldade - àqueles que foram afetados pelo Covid-19 ou que se sentem ameaçados por esta infecção viral nossa proximidade, nossa carinho e nossa oração por eles. Aos leigos que exercem a profissão de médicos, enfermeiros, socorristas e pesquisadores científicos, engajados em aliviar o sofrimento e a ansiedade causados pelo início desse contágio e em descobrir formas eficazes de tratamento dessa doença, agradecemos pela generosidade de sua dedicação e incentive-os a gastar por essa boa causa as melhores energias e talentos intelectuais que Deus lhes deu.

            Desejamos dedicar um pensamento especial às famílias, chamadas, com muito amor e senso de responsabilidade, a cuidar de acompanhar seus membros afetados pela Covid-19 ou a cuidar dos idosos que não podem sair de casa devido ao risco de contágio , indivíduos mais fracos devido a outra doença já em andamento e crianças que precisam ficar em casa longe da escola por motivos de saúde. Isso é um trabalho pesado, especialmente para famílias que vivem em lugares ao redor do mundo que são pobres em recursos econômicos e assistência social, mas também para aquelas em que o marido, a esposa ou outros membros da família correm o risco de perder o emprego devido às consequências da epidemia sobre produção, comércio, transporte, educação e outras atividades civis.

Nessas circunstâncias difíceis, a comunhão de amor entre os cônjuges e com seus pais e filhos é um recurso muito precioso para toda a sociedade e para cada pessoa em risco de experimentar a solidão. A solidão é ruim para a pessoa que, no caso de risco de contrair uma doença, é adicionada ao mal físico causado pela patologia. «Não é bom que o homem esteja só» (Gn 2, 18): a sábia previsão de Deus, o criador, ao pensar no relacionamento conjugal entre homem e mulher, revela toda a sua verdade, mesmo na situação causada pela propagação de uma infecção invalidante para os afetados e pelas relações sociais entre todos os cidadãos. De fato, nessas circunstâncias, a família pode se tornar um recurso, uma força motriz e uma força difusora para o senso de responsabilidade de cada um, de solidariedade, de força e prudência, de compartilhamento e ajuda mútua na dificuldade.

            O Dicastério se une ao Papa Francisco, que expressa a sua «proximidade com os pacientes com coronavírus e com os profissionais de saúde que os tratam, bem como com as autoridades civis e todos aqueles que estão empenhados em ajudar os pacientes e parar o contágio» (Audiência geral 26 de fevereiro de 2020) e abraço cada um de vocês, queridos leigos e famílias, com o sinal de unidade e paz entre todos os homens, o da Cruz de nosso Senhor.

Dicastério para Leigos, Família e Vida