10 de Janeiro de 2020
Papa Francisco

Vida para acolher, proteger, respeitar e servir

A Mensagem para o XXVIII Dia Mundial dos Doentes

"O substantivo 'pessoa' sempre vem antes do adjetivo 'doente'.  Portanto, sua ação visa constantemente a dignidade e a vida da pessoa, sem ceder a atos de natureza eutanásica, suicídio assistido ou supressão da vida, mesmo quando o estado da doença é irreversível ".  Estas são as palavras que o Papa Francisco confiou à Mensagem para o XXVIII Dia Mundial dos Doentes,  que é comemorado em 11 de fevereiro.

A vida, continua Francisco, "é sagrada e pertence a Deus, por isso é inviolável e indisponível".  Além disso, “deve ser aceita, protegida, respeitada e servida desde o nascimento até a morte: a razão e a fé em Deus, autor da vida, exigem isso ao mesmo tempo.  Em alguns casos, a objeção de consciência é para você - ele escreve dirigindo-se aos profissionais de saúde - a escolha necessária para permanecer consistente com esse "sim" à vida e à pessoa.  De qualquer forma, seu profissionalismo, animado pela caridade cristã, será o melhor serviço ao verdadeiro direito humano, o da vida.  Quando você não pode curar, sempre pode cuidar com gestos e procedimentos que proporcionam alívio ao paciente".

Por fim, o apelo "às instituições de saúde e governos de todos os países do mundo, para que, ao considerar o aspecto econômico, não negligenciem a justiça social" e o agradecimento "a voluntários que se colocam a serviço dos doentes,  em muitos casos, para compensar deficiências estruturais e refletir, com gestos de ternura e proximidade, a imagem de Cristo, o bom samaritano".