30 de Março de 2021
Novos mártires

Nada é estranho à vida dos cristãos

Nossa proximidade espiritual com os mártires faz bem as comunidades cristãs em dificuldade, mas faz bem especialmente para nós.

Na Basílica de Santa Maria em Trastevere, cheia, de acordo com as regras anti-covid permitidas e ao vivo pela internet com as Comunidades de Santo Egídio ao redor do mundo, o cardeal Farrell presidiu uma vigília de oração em memória dos mártires contemporâneos

Depois de ouvir as histórias emocionantes e os nomes de quem nos últimos anos deu a vida pelo Evangelho, o Prefeito fez a homilia.

«A nossa oração - disse - pretende ser um gesto de proximidade aos mártires de todas as igrejas cristãs, das suas famílias e das suas comunidades» porque, como nos mostrou o Papa Francisco no seu recente caminho nas pegadas de Abraão «o que se passa no Iraque ou Paquistão ou Nigéria é como se estivesse acontecendo aqui. Nada mais nos é estranho. Estamos todos próximos”.

Nesta perspectiva, a memória dos mártires contemporâneos é um ato de solidariedade com as comunidades de cristãos, mesmo não católicos, em mais dificuldade, mas é - antes de tudo - algo bom para quem o faz.

“A crise de saúde global que vivemos - continuou o cardeal Farrell - pode provocar, mesmo em nós, cristãos, um perigoso recuo em nós mesmos [...]. Olhar para os mártires, portanto, nos faz bem. A vida deles [...] nos mostra que o propósito da vida não é apenas protegê-la de qualquer perigo, mas dá-la por amor.O seu testemunho, muitas vezes suave, silencioso e desconhecido do mundo, diz-nos que não é a separação dos outros que nos salva, mas o amor pelos outros”.

Em conclusão, o purpurado deseja agradecer aos membros da Comunidade de Santo Egídio pelo seu empenho quotidiano junto aos pobres e pela paz que é «de grande estímulo para todos manterem vivo este "elevado ideal" da vida cristã que os mártires incorporaram».