18 de Novembro de 2021
Ad limina

Para trazer os jovens para a Igreja, temos de oferecer experiências significativas

Com a chegada do quarto grupo de bispos poloneses no dia 25 de outubro, concluiu-se o ciclo de visitas ad limina dos prelados ao Dicastério
VAL Polonia.jpg

 

Quantas questões pastorais urgentes! Ao falar dos leigos, exprimiram uma grande preocupação pelo crescente número de fiéis que, ainda que frequentem a missa dominical, levam uma vida que em nada reflete os valores cristãos, uma ruptura que só se poderá reduzir e superar com a contribuição dos próprios leigos. Por isso, estes devem ter uma formação sólida, a fim de que se tornem verdadeiros corresponsáveis das estruturas eclesiais e principalmente encorajados a serem missionários na sociedade. Os sacerdotes devem também fazer a parte deles, saindo da rotina pastoral para ousar uma abordagem mais sinodal e em colaboração com os leigos. Também deve ser feito um esforço especial para vencer a indiferença dos jovens. Segundo os bispos, é preciso cunhar para eles uma linguagem nova, capaz de explicar-lhes a beleza do projeto de Deus e convencê-los a viver segundo esse projeto. “É fundamental – acrescenta o Pe. Alexandre, secretário do Dicastério – oferecer-lhes experiências significativas, sejam de voluntariado, de amizade, de engajamento social, enfim, coisas que tocam as fibras do coração dos jovens e das quais pode nascer um encontro autêntico com Cristo.”

Sobre o tema da família, por conta de fatores velhos e novos (comunismo, influência do Ocidente, fenônemos migratórios...) os bispos apontaram para uma queda inexorável do número de casamentos em geral, e dos casamentos sacramentais em particular, em favor de uma cultura da coabitação cada vez mais difundida. Estes números, somados à quantidade de casamentos que acabam – também estes em aumento por todo o país – dão a medida do desafio que a Igreja da Polônia deve enfrentar no campo da pastoral familiar. E deve-se agir rápido – reconheceram os bispos – porque já se começam a fazer sentir os efeitos destas novas tendências em outros âmbitos da Igreja. Por exemplo, é cada vez mais difícil encontrar um padrinho idôneo para acompanhar as crianças e jovens nos sacramentos da iniciação cristã. Face a estes desafios, todos os bispos concordaram que a exortação Amoris Laetitia representa hoje um instrumento pastoral importante para discernir estas situações e decidir qual é a atitude pastoral mais correta a adotar.

Sobre o tema dos “movimentos”, alguns bispos ressaltaram o risco de uma deriva de alguns líderes para o personalismo. Ao reafirmar a necessidade de uma vigilância constante dos movimentos de fiéis presentes e operantes no território, a Dra. Ghisoni, subsecretária do Dicastério encarregada dos leigos, lembrou também que a mens do recente Decreto Geral do Dicastério, que disciplina o exercício do governo nas associações internacionais de fiéis, deveria ser, entre outros, a de erradicar o fenômeno do personalismo nos altos escalões das agregações e insistir na natureza do serviço de toda forma de governo na Igreja.