29 de Maio de 2017
Movimentos eclesiais

Card. Farrell: “Um aniversário para olhar adiante e caminhar juntos!”

A Renovação Carismática celebra cinquenta anos. Celebrações em Roma com o Papa Francisco
CCRGJ2017withpope-272x182.jpg

Foi o próprio Papa Francisco a convocar em Roma a Renovação carismática de todo o mundo para celebrar o 50º aniversário do nascimento desta corrente de graça na Igreja Católica: “Eu espero todos vocês, carismáticos do mundo, para celebrar, com o Papa, o grande Jubileu no dia de Pentecostes de 2017, na Praça de São Pedro!”, disse em 01 de junho de 2014 no encontro anual da Renovação no Espírito, em Roma. Nascido durante um retiro de fim de semana entre os jovens estudantes e professores da Universidade de Duquesne, em Pittsburgh, em fevereiro de 1967, depois de uma experiência forte chamada “batismo no Espírito Santo” ou “efusão do Espírito Santo”, logo se espalhou em todo o mundo com grupos de oração, comunidades de aliança, escolas de evangelização, serviço à comunidade.

Na necessidade de coordenar a multiforme variedade de expressões dessa realidade, na década de noventa nasceram as duas organizações que hoje, com o conselho direto do papa Francisco, prepararam este evento: a Católica Internacional Renovação carismática Services, Catholic Fraternity of Charismatic Covenant Communities and Fellowships e l’International Catholic Charismatic Renewal Services, reconhecidos pelo então Pontifício Conselho para os Leigos. 

É o mesmo Papa, além disso, sugeriu para dar uma parte ecumênica ao evento jubilar, com a participação de trezentos membros de igrejas pentecostais e evangélicas: “A Renovação Carismática nasceu ecumênica, e, portanto, será uma celebração ecumênica, neste sentido”, disse o Papa Francisco, respondendo a uma pergunta sobre o Jubileu de Ouro durante o voo de volta da Suécia em janeiro.

O cardeal Kevin Farrell, prefeito do Dicastério para os Leigos, a Família e a Vida, vê nessas celebrações mais fundamentos de importância: “Fazer memória da graça recebida com esta experiência que permitiu que centenas de milhares de pessoas a viver com uma fé renovada a vida cotidiana. Não é apenas uma questão de devoção…”. Uma memória que permite ver o que tem que pedir perdão, de modo a Santa Missa que o Prefeito do Dicastério celebrará no Circo Máximo, na noite de sexta-feira, 02 de junho, haverá uma parte penitencial e de reconciliação.

“Depois de cinquenta anos de história, a Renovação deve também reconhecer as coisas que necessita pedir perdão, e esta atitude é uma graça. O objetivo é caminhar juntos, olhar para a frente com a intenção de viver a unidade, a comunhão, o convite de Jesus para que” todos sejam um. “Um com aqueles que vivem experiências diferentes, um com os pastores da Igreja, um com o Santo Padre. Unidos para dar testemunho de uma obra do Espírito que sempre nos supera”.

Cerca de trinta mil pessoas de mais de cem países em todo o mundo, membros desta corrente de graça e suas diversas expressões, encontraram-se neste fim de semana de Pentecostes, começando na quarta-feira, 31 de maio, em várias partes de Roma para encontros de oração, simpósios e workshop de aprofundamento, celebrações eucarísticas e eventos para os jovens, sacerdotes, famílias.

A abertura das celebrações de aniversário foi com a audiência geral com o Papa na manhã de quarta-feira. A Missa na sexta-feira à noite no Circo Máximo, presidida pelo Cardeal Farrell, preparou todos os participantes para a vigília do dia seguinte, uma longa tarde de oração, testemunhos e música, aguardando a chegada do Papa Francisco. No Domingo de Pentecostes, a Missa na Praça de São Pedro conclui o evento.

Entre os eventos paralelos, uma exposição artística sobre Pentecostes foi exibida na Basílica de Santa Anastásia, no Circo Máximo, e uma outra, sobre os testemunhos de santidade na Renovação, na igreja de Trinita dei Monti.