23 de Janeiro de 2017

Jan Tyranowski: Um novo leigo para as honras do altar

Sábado 20 de janeiro, o Santo Padre Francisco autorizou a promulgação do decreto das virtudes heroicas do Servo de Deus Jan Tyranowski, leigo polonês, de Cracóvia, que também teve um papel importante na vida do santo Papa João Paulo II. Nascido em 09 de fevereiro de 1901 e morreu 15 de março de 1947, a sua vida ocorreu no período mais negro da história europeia, marcado por duas guerras mundiais. Mas o seu é um brilhante exemplo de vida cristã ocorrido em de uma forma muito simples, como os compromissos normais de seu trabalho na alfaiataria da família e no trabalho paroquial.

Recebeu na família uma sólida educação católica, a sua vida tomou um rumo decisivo em 1935, quando ouviu na igreja paroquial dos Salesianos um sermão sobre a santidade. Naquela ocasião, ele sentiu como deslumbrado com as palavras do pregador, e decidiu embarcar em um caminho radical para a santidade. Uma santidade que se expressa especialmente na animação de uma intensa atividade para com os jovens da sua paróquia salesiana, tanto assim que, durante a segunda guerra mundial, quando quase todos os padres da paróquia foram deportados, ele era o ponto de referência de uma centena dos jovens. Uma atividade que, depois da guerra, tornou-se uma verdadeira formação de formadores, deixando até mesmo uma geração seguinte de catequistas leigos da diocese, a sua rica espiritualidade emitida. A personalidade e a coerência de Jan, somado a profundidade de sua vida interior alimentada pela espiritualidade carmelitana, atraiu muitos jovens. Entre eles, o jovem Karol Wojtyla que quando Papa escreveu sobre ele – no livro “Dom e Mistério” - como um homem de “espiritualidade muito profunda” que o introduziu à leitura das obras de João da Cruz e Teresa de Avila.

Tyranowski era um evangelizador que sempre preferiu as conversas pessoais, um homem que sabia como colocar em prática esse anúncio da pessoa a pessoa, em um apostolado adaptado a todos para um compromisso quotidiano.