22 de Agosto de 2018
Encontro Mundial das Famílias

Card. Turkson, “trabalho é uma vocação de ser parceiros de Deus. Negócios são destinados a família humana”

“Os negócios devem levar em conta os talentos individuais e satisfazer as necessidades da humanidade com bens autênticos e sustentáveis, e com espírito de serviço e solidariedade para com a família humana”. O cardeal Peter Turkson, prefeito do Dicastério para o desenvolvimento humano integral, falando no primeiro dia do Congresso Pastoral no Encontro Mundial das Famílias em andamento até o dia 26 de agosto em Dublin. Apresentando esta noite o painel sobre “A vocação do líder empresarial: uma perspectiva de empresa familiar”, o cardeal recorda que, segundo Amoris Laetitia, “a família é uma instituição humana desejada e criada por Deus para o cuidado e continuação da existência da família”.

Por isso, a pessoa é criada, não só com dignidade, à ‘imagem e semelhança de Deus’ mas como homem e mulher, capaz de colaborar mutuamente para gerar filhos e cuidar deles". Se entendemos “também a tarefa da pessoa de cultivar e manter a terra, em termos de trabalho, então – explica o cardeal – esta é uma expressão de sua dignidade à imagem de Deus, de modo que o trabalho é entendido como a vocação da pessoa em ser um parceiro de Deus, colocando a criação a serviço das necessidades do ser humano, para o desenvolvimento e elevação dos necessitados e para que essa '’vocação’ seja entendida como dirigida pela ‘lógica do dom’ que opera em direção ao destino universal dos bens da Terra”. Nessa perspectiva, “o negócio é uma vocação nobre que organiza e realiza o trabalho de colocar a criação e seus recursos a serviço do bem da família humana em geral” e, nesse sentido, “a família é um recurso para a sustentabilidade e o serviço do amor para ‘os nossos filhos e aqueles que virão depois de nós’”.