19 de Outubro de 2018
World Youth Hope

Milhões de possibilidades, pouca liberdade

Resumo da conferência sobre os jovens e as novas tecnologias nas escolas romenas

Publicamos o discurso que Marco Brusati, colaborador de nosso Dicastério e diretor da Hope, realiza neste mês nas escolas de ensino médio de Cluj, Blaj, Oradea e Bucareste, como parte do projeto World Youth Hope realizado com a Secretaria de Pastoral Juvenil da Diocese Grega Católica de Oradea

Hoje temos uma ideia reduzida do que é comunicar; muitas vezes acabamos acreditando que a comunicação é enviar um selfie legal para o grupo do Whatsapp ou Snapchat, ou postar um vídeo engraçado no Musically ou no Youtube, ou abrir um perfil interessante no Instagram, no Facebook, no Twitter e assim por diante. Comunicar é certamente isso, mas é, ao mesmo tempo, muito mais que isso.

A partir daqui, vamos dar o primeiro dos cinco passos: o ato de comunicar não é um fim em si mesmo; não nos comunicamos para comunicar, mas porque a comunicação nos permite abrir e viver relacionamentos com os outros e permite que os outros abram e mantenham relacionamentos conosco. “Não podemos não comunicar” (Paul Watzlawick) porque temos a necessidade vital de viver se relacionando, está inscrito em nosso DNA. Quem se comunica conosco, portanto, entra em um relacionamento conosco e influencia nossa vida, chegando a orientar o que pensamos, entendemos e acreditamos.

Agora vamos dar o segundo passo, nos perguntando: hoje, quem comunica - se e portanto entra em relação – conosco? A resposta é, pelo menos, dupla: seja as que encontramos pessoalmente, no relacionamento eu-tu (Martin Buber): amigos e colegas, pais e adultos, professores, educadores e padres; tanto aqueles que nos encontramos medialmente: artistas, cantores e atores, blogueiros e youtubers, jornalistas e outros protagonistas de produtos de mídia, reais ou virtualmente criados. No entanto, as relações eu-tu são numericamente muito limitadas; alguns estudos (Robin Dunbar), dizem que as relações pessoais que realmente contam são cerca de doze; Em vez disso, as relações com a mídia são milhões e todas elas são mediadas por um smartphone, potencialmente ativo 24 horas por dia, 7 dias por semana.

Agora vamos dar o terceiro passo: os smartphones não são caixas vazias, mas potes cheios de conteúdos preparados por pessoas que se comunicam conosco, entram em contato conosco e influenciam nosso modo de vida; Nós dissemos que eles são milhões. No entanto, ao mover a visão para mais adiante, podemos ver que por trás desses milhões de relações com a mídia, há um pequeno número de indivíduos. Apenas um exemplo nos faz entender o alcance do discurso: cerca de 75% da música global é produzida por 3 multinacionais (Universal, Sony, Warner): isso produziu uma derrubada estrutural porque, por exemplo, um cantor não é bem-sucedido porque gosta mas gostamos porque é bem-sucedido e bem-sucedido porque a vemos em todo lugar e a vemos em toda parte porque muitas pessoas decidiram por motivos inquestionáveis. Isso se aplica à música, mas também se aplica a informações, videogames, ficção, produtos de mídia, hardware e software. Temos, portanto, muito poucos sujeitos no mundo que têm o imenso poder de decidir o que devemos sentir e ver, influenciar globalmente o que devemos pensar, acreditar e até mesmo, quais emoções sentir.

Vamos dar o quarto passo indo ver as consequências dessa situação: enquanto pouquíssimas pessoas, seus pais, educadores e professores, por exemplo, repetem para você todos os dias princípios como “a vida é sagrada”, “ama o próximo”, “a Verdade vos fará livres”, “a pessoa não vale pelo que tem”, milhões de pessoas com quem somos mediados e autorizados, por assim dizer, por muito poucos, argumentam que" a vida não faz sentido", “eu sou o primeiro de tudo”, “a verdade não existe”, “a pessoa é o que produz e consome, é o sucesso que tem”. Estamos, como podemos ver, em choque total entre duas visões antropológicas, antitéticas entre si e os mais jovens são, por assim dizer, arrastados daqui e dali.

Vamos dar o quinto e último passo para ver quais os critérios para lidar com esta situação que foi gerada apenas há uma década, com o advento dos primeiros smartphones e que nos encontramos bastante despreparados. Antes de tudo, é necessário viver as relações com a mídia como se fossem relações frontais; por exemplo: na escola, um jovem não pode convidar outras pessoas a usar drogas com impunidade, enquanto nós concedemos a mesma coisa a um cantor na web sem qualquer tipo de crítica, inclinados ao seu sucesso; Em segundo lugar, você deve aprender a não ter medo de ser sozinho em dizer “não” e não dar o nosso consentimento porque pensamos que eles fazem tudo ou por medo de estar fora do grupo (FOMO, Fear of missing out); Finalmente, não excluir adultos da vida medial, de pais aos professores, educadores padres, sabendo reconhecer quem realmente quer o bem e não o seu consentimento que, afinal, visa gerar dinheiro para aqueles que se beneficiam.

Neste trabalho difícil, diário e heroico, devemos ter a consciência de que a liberdade não é adquirida de uma vez por todas, mas deve ser conquistada todos os dias, em todas as escolhas, mesmo as mais pequenas e aparentemente insignificantes como um like.