08 de Dezembro de 2018
Após o Sínodo

Os jovens, “prova de fogo” para a Igreja

Numa paróquia romana o padre sinodal Mons. Frisina falou de sua experiência
frisina_muolo_30nov2018.jpg

“Acompanhar os jovens, caminhar em sua história, inserir-se em suas dinâmicas, como pregava São João Bosco”. Assim, monsenhor Marco Frisina, pai sinodal e diretor do Coro da diocese de Roma, resumiu o objetivo final da assembleia que em outubro, durante 25 dias, viu 267 padres sinodais e 34 meninos juntos.

Uma oportunidade para contar os bastidores do Sínodo foi a reunião realizada na paróquia romana de San Giovanni Battista De Rossi, em que monsenhor Frisina ilustrou aos jovens o dia típico do Sínodo marcado pela oração, pelo trabalho da assembleia – ao qual O papa Francisco sempre participou – de reuniões de comitê e “votação longa”. Um Sínodo em que os jovens estavam ativos, eles não tinham direito a voto, mas podiam intervir e sua contribuição era “preciosa”.

Frisina definiu-a como uma experiência “Igreja forte, um conselho pequeno” porque bispos e ouvintes vinham de todas as nações. Ele relembrou alguns dos temas tratados, como liturgia, sexualidade, internet e migrações. Às vezes, os jovens são vistos pela Igreja como “objeto de estudo”, mas a partir do trabalho da assembleia, eles são “evangelizadores” e a Igreja deve acompanhá-los como mãe, não para estudá-los como “um fenômeno”. Sendo “prova de fogo da Igreja”, devem ser motivados e não “mortificados em sua positividade e em seu aspecto profético”. No Synod Hall, ele lembrou, havia bispos de todo o mundo com culturas diferentes e o “conceito de acompanhamento para alguns é um pouco difícil, eles gostariam de cortar a compreensão claramente. Mas os jovens não são todos iguais e devem ser bem-vindos”. Outro fenômeno no qual não é mais possível “fazer avestruzes e colocar a cabeça na areia” é a Internet, na qual os jovens são guiados e a Igreja, concluiu ele, “deve perceber que é um meio necessário que deveria usar mais e melhor”.