23 de Agosto de 2018
Dublim: Angelo e Caterina Russo

Aprender a ser avós

Um casal de sessenta anos de idade de Nápoles, 35 anos de casamento; para eles, a história de como “Transmitir a fé entre as gerações: o papel dos avós”

Apenas algumas pinceladas para admirar uma imagem sobre a beleza de uma família cristã: “Em nossas vidas sempre colocamos Deus em primeiro lugar e isso nos motivou a nos dedicar, desde o início de nosso casamento, ao cuidado de nossa família, dos nossos parentes, mas também das famílias do nosso bairro e da nossa paróquia. Nos últimos anos, nosso bispo, Cardeal Sepe, nos pediu que seguíssemos como um casal responsável do Departamento de Família e Vida, a pastoral familiar de nossa diocese”. Ser avô é ser mãe duas vezes: “estamos aprendendo a ser avós”, sempre à luz do evangelho.

“Ter um bebê novamente em nossos braços, depois de tantos anos, sentir que é nossa linhagem, que é parte da família fundada por nós, mas ao mesmo tempo ter que mostrá-lo discretamente para não ser muito invasivo e provocar ciúmes nos pais, é um emoção e um desafio único. Não é fácil refrear a exuberância de oferecer sugestões para sua educação, mas a sabedoria de nossa época, juntamente com a cumplicidade sempre presente em nosso casal, sugere novas formas de afeto e proximidade”.

Ser avós, como diz o Papa Francisco, é uma vocação: “A vida de nossos filhos hoje é muito complicada e agitada, muitas vezes não tem espaço para a transmissão da fé, mas nós os avós podemos e devemos ajudá-los também nisto... vovô deve ser aquele que ouve, media, promove, encoraja, tranquiliza e sustenta na vida familiar, social e eclesial. Desta forma, torna-se um importante e discreto ponto de referência para as futuras gerações que têm um grande desejo de coerência e testemunho, especialmente na Igreja, e estão em busca do verdadeiro Deus”. Finalmente, para os avós italianos, uma indicação: “Algumas boas práticas e um terreno virtual para comparação podem ter o site www.noinonni.it” .