29 de Abril de 2018
Visita ad limina

Nigéria, uma Igreja dinâmica e vibrante

Por dois dias consecutivos, nos dias 24 e 25 de abril, nosso Dicastério recebeu um grande grupo de Bispos da Nigéria visita ad limina apostolorum em Roma. Com quase 200 milhões de habitantes, dos quais cerca de 20% são católicos, a Nigéria abriga a comunidade católica mais populosa de todo o continente africano. O afresco pintado pelos bispos apresenta a imagem de uma Igreja dinâmica e vibrante, crescendo constantemente, numericamente e qualitativamente. De fato, o sentido inato de Deus que une todo o povo nigeriano reflete-se nas paróquias, onde existe uma frequência na missa que gira em torno dos 90% todos os domingos.

Os bispos também elogiaram a dedicação e o compromisso dos fiéis leigos na Igreja em todos os níveis, especialmente nas áreas em que sua especialidade é mais requisitada (finanças, gestão, saúde, educação, obras beneficentes). Esta dedicação é o resultado de uma solicitude constante dos pastores que sempre viram nos leigos a âncora da própria Igreja: já em 1973, de fato, a Conferência Episcopal dotou-se de um órgão, o Catholic Laity Council of Nigeria, para coordenar o apostolado dos leigos e garantir sua boa preparação catequético-pastoral mediante subsídios e programas de formação. Hoje, graças a iniciativas como o Catholic Social Forum, o número de fiéis que optam por se envolver na administração dos assuntos públicos está crescendo cada vez mais.

“Não é suficiente que as igrejas estejam lotadas - os bispos reiteraram -. É necessário olhar para o que acontece além da massa, na vida cotidiana, onde as escolhas de vida nem sempre estão em consonância com a fé. Precisamos de mais coerência”. Apenas para dar alguns exemplos, eles falaram sobre o problema da poligamia, que enfraquece a instituição do casamento cristão, e o fenômeno da corrupção, que não poupa os fiéis católicos. A situação dos jovens, lutando contra o desemprego, o analfabetismo, a pobreza, a falta de perspectivas, parece preocupante. Mas acima de tudo, jovens nigerianos são expostos sem defesa às perniciosas correntes ideológicas que vêm principalmente do Ocidente: pelas mesmas razões, esses jovens também são vítimas designadas das numerosas seitas que se espalham pelo país e sustentam o "Evangelho da prosperidade". Portanto, os bispos sentem a urgência de integrar o cuidado das almas com o compromisso de cada iniciativa que vise criar melhores condições sociais.