24 de Novembro de 2018
Ad limina

Uma voz em favor da vida e da família

Os bispos da Romênia e da Moldávia em visita ao Dicastério

Uma pequena comunidade renascida quase do zero, mas agora crescendo, muito ativa no trabalho pastoral, no campo social e na promoção dos valores cristãos em uma sociedade dividida entre a atração pela União Europeia e a nostalgia pela Rússia. Esta é a história de sua Igreja feita pelos bispos da Romênia e da Moldávia que vieram ao Dicastério para uma visita há alguns dias.

Além do cuidadoso trabalho pastoral, a Igreja da Moldávia realiza uma intensa atividade de apostolado social com serviços de assistência social dirigidos a famílias carentes, órfãos, menores em risco e mulheres em dificuldade. Em 2014 Chişinău inaugurou o primeiro centro de aconselhamento católico, uma pequena semente para as famílias da Moldávia, “a serviço das famílias, para proteger a vida, para apoiar os deficientes, ao lado daqueles que vivem em situações de dificuldades sociais”.

Recentemente, a Igreja deu total apoio à iniciativa cívica apoiada pelos leigos agrupados na chamada “Coalizão para a família”, na qual quarenta associações e ONGs de várias confissões coletaram mais de três milhões de assinaturas em favor da mudança do artigo 48 da Constituição, que afirma que “a família é fundada sobre o casamento livremente permitido entre dois cônjuges”. Mesmo que o referendo constitucional de 6 e 7 de outubro não tenha alcançado o quórum, serviu para fazer a voz da Igreja ser ouvida sobre um assunto tão delicado e não apenas.

Sempre o tema pastoral da família, surgiu que desde a década de 1990 a lacuna entre a família tradicional e a ideia atual da família está se expandindo cada vez mais. Hoje, a mentalidade secular tem o vento em popa, mesmo que as estatísticas digam que, apesar de deslizar para novas culturas e modelos sociais, para a grande maioria dos romenos, a família – para ser entendida num sentido mais amplo, pois abraça várias gerações – ainda um papel da mais alta importância na hierarquia de valores. Na Romênia, também, a idade média dos cônjuges é gradualmente aumentada, mas o país manteve firmemente o cetro do país europeu com a idade média mais baixa dos cônjuges. Os divórcios também estão crescendo, mas as proporções do fenômeno permanecem totalmente limitadas em comparação com muitos outros países europeus. Por outro lado, a taxa de natalidade caiu e bastante. Hoje, os casais tendem a não fazer mais do que um filho. O país deve, portanto, lidar com um inverno demográfico e o mais preocupante é que não se pode vislumbrar nenhum sinal de reversão de tendência.

Sobre o tema da vida, os pastores relatam várias iniciativas destinadas a defender e promover a vida da criança nascente, como “A Marcha pela Vida” organizada todos os anos em 25 de março em várias cidades do país, a “Vigília de quarenta dias pela vida”,“O Rosário da Vida”, recitado semanalmente em vários grupos paroquiais. Mas, em primeiro lugar, a Igreja assume a responsabilidade de promover o apoio das mulheres nas crises e reformas econômicas que favorecem a taxa de natalidade como alternativa ao aborto, assim como rejeitam todas as formas de eugenia e seleção de nascimentos.

Falando da pastoral dos jovens, em resposta às suas expectativas, os pastores decidiram criar, em 2015, o Escritório Nacional da Pastoral Juvenil, que visa coordenar iniciativas a favor dos jovens. Além disso, eles dedicaram várias sessões de suas sessões plenárias aos jovens para entender melhor seu mundo, sua língua, os novos meios de comunicação de massa e ajudá-los a usá-los com discernimento.