14 de Maio de 2018
Mulher e trabalho

Homem e mulher: Conversando e aliando-se

No dia 4 de maio, Pe. Alexandre Awi Mello introduziu os trabalhos da conferência “O valor acrescentado das mulheres entre empresas, família e sociedade”.

O Secretário do Dicastério ofereceu uma reflexão articulada sobre os temas da ecologia integral ("necessariamente ligada à essência do humano"), da família ("hoje as famílias são deixadas sozinhas com suas dificuldades") e da responsabilidade ("Estamos passando por um momento de crise em muitos lados, mas também de novas oportunidades"). Após as intervenções dos palestrantes, Marta Rodriguez, do Departamento de Mulheres do Dicastério, concluiu três considerações baseadas no magistério pontifício da Mulieris Dignitatem e algumas expressões do Papa Francisco: igualdade de oportunidades e igualdade de direitos entre homens e mulheres são necessárias, mas não suficientes; afirmar a diferença é necessário, mas não é suficiente; queremos caminhar em direção a uma verdadeira aliança, mas o caminho ainda está para ser feito. Papa Francisco disse que “a aliança do homem e da mulher é chamada a tomar em suas mãos a direção de toda a sociedade. Este é um convite à responsabilidade pelo mundo, na cultura e na política, no trabalho e na economia; e também na Igreja. Não é simplesmente uma questão de igualdade de oportunidades ou de reconhecimento mútuo. É acima de tudo uma compreensão de homens e mulheres sobre o sentido da vida e sobre o caminho dos povos. (...) Falando e aliando-se, porque nenhum deles - nem o homem sozinho, nem a mulher sozinha - é capaz de assumir essa responsabilidade”. Assim também a subsecretária Gabriella Gambino: “A qualidade e a quantidade de tempo gasto na família condicionam grandemente a serenidade da mulher e a performance no mundo do trabalho. O mundo dos negócios deve partir da premissa de que a maternidade não é um obstáculo, mas um recurso que desenvolve habilidades sociais e outras habilidades relevantes para o mundo do trabalho”. Para isso “A igualdade de oportunidades precisa se enraizar em uma aliança homem-mulher, capaz de respeitar as especificidades e peculiaridades da diferença. É uma estrada inexplorada em termos concretos, que poderia ser traduzida em um respeito genuíno pelas mulheres no mundo do trabalho”.