07 de Abril de 2018
Brasil

Viagem a Curitiba

Encontro nacional dos coordenadores da Pastoral do Idoso

De 22 a 25 de março, realizou-se em Curitiba, Brasil, o encontro nacional de coordenadores de pastoral de Pessoa Idosa, com a participação de Vittorio Scelzo, da Sessão Vida de nosso Dicastério.

A Pastoral é um organismo de ação social da Conferência Episcopal do Brasil que, com seus 15 mil voluntários, reúne mensalmente cerca de 145 mil idosos das periferias pobres de 200 dioceses do país: o coração de sua atividade é a visita domiciliar concebida como oportunidade de mudança na forma concreta as situações dos idosos e mostrar-lhes o rosto misericordioso da Igreja.

Os voluntários estabelecem com os idosos que eles visitam - pelo menos uma vez por mês - um vínculo afetivo estável e, a partir da escuta de suas necessidades e de um acompanhamento atencioso, comprometem-se a melhorar a condição deles.

A Pastoral da Pessoa Idosa quer ser uma alternativa à cultura do desperdício: na verdade, os idosos, de fato - como surgiram dos testemunhos apresentados durante o encontro - acabam se considerando um fardo para suas famílias, mas o encontro com os "líderes" "da pastoral restaura a dignidade de suas vidas.

Voluntários, em sua maioria mulheres (85%) e aposentados, descrevem a filiação à Pastoral como uma experiência gratificante que dá sentido a uma época da vida em que o tempo se expande e, geralmente, os objetivos diminuem, além de uma oportunidade de se sentir parte da Igreja e viver "em saída", como pede o Papa.

A Pastoral da Pessoa Idosa foi fundada em 2004 por Zilda Arns, secular brasileira para a qual existe um processo contínuo de beatificação, a exemplo da Pastoral da Criança, que ela deu a vida nos anos 80. Seu compromisso - que hoje atinge cerca de um milhão de crianças em todo o país e se estendeu a outras 19 nações - contribuiu nas últimas décadas para um declínio acentuado da desnutrição no Brasil graças a uma rede de voluntários ligados às paróquias que visitam. pelo menos uma vez por mês, as casas mais pobres e mais distantes das periferias para ensinar às mães noções básicas de higiene, prevenção de doenças e proteção da saúde, especialmente durante e após a gravidez.