10 de Abril de 2019
Santidade leiga

Dois leigos entre os oito decretos para a santidade

Uma criança brasileira e uma italiana estão a caminho dos altares por terem dedicado suas vidas a Jesus apesar dos desafios e sofrimentos que experimentaram

No dia 6 de abril, o Santo Padre aprovou as virtudes heróicas de dois leigos, uma criança e uma mulher: Nelson Santana, do Brasil, e Nuccia Tolomeo, da Itália. Ambos deram um forte testemunho de fé e proximidade a Jesus em face de doenças incuráveis e grande sofrimento. Como o Papa Francisco diz na Exortação Apostólica Gaudete et exultate, os enfermos, quando vivem suas dificuldades com paciência e sobrenaturalidade, são muitas vezes um exemplo óbvio «"da santidade "ao pé da porta", daqueles que vivem perto de nós e são um reflexo da presença de Deus, ou, para usar outra expressão "A classe média da santidade" » (n.7).

Nelson "Nelsinho" Santana nasceu em Ibitinga, Brasil, em 31 de julho de 1955, e morreu em 24 de dezembro de 1964. Enquanto estava internado, Nelson conquistou a simpatia e o amor da equipe do hospital e de outras crianças hospitalizadas. Fez sua primeira comunhão na capela do hospital e, aos nove anos de idade, teve uma forte compreensão do significado do sofrimento de Jesus. Ele foi diagnosticado com um tumor de braço, mas nunca reclamou da dor, em vez disso, apoiando os outros pacientes. Ele disse à mãe que havia prometido a Jesus não reclamar do sofrimento e da dor. Todos os dias expressava o desejo de confessar-se e participar da comunhão eucarística. Finalmente, o tumor se tornou intrusivo e Nelson morreu na véspera de Natal no mesmo ano em que foi internado no hospital. Ainda hoje há muitos devotos que pedem graças e favores a Nelsinho e rezam em seu túmulo.

Gaetana "Nuccia" Ptolomeu nasceu em 10 de abril de 1936 em Catanzaro, Itália, com uma paralisia deformante. A doença de Nuccia progrediu ao longo dos anos, levando à sua morte em 60 de janeiro de 1997. Ao longo de sua vida, Nuccia não permitiu que sua doença a impedisse de viver uma vida cristã santa - ela orava todos os dias, com o rosário sempre preso à mão. Na biografia escrita por sua prima Ida Chiefari, diz-se que, embora Nuccia tenha sido forçada a permanecer em uma cama ou cadeira durante a maior parte de sua vida, a serva de Deus entendeu que o Senhor a usava como instrumento para conquistar tantos irmãos para Cristo. Nos últimos anos, Nuccia colaborou com uma estação de rádio, da qual se espalharam mensagens de espiritualidade e mística, abordando sobre o sofrimento no corpo e no espírito, as prostitutas, os viciados em drogas e as famílias em dificuldade.