15 de Junho de 2019
Visitas ad limina

Família e jovens: duas prioridades para a Igreja em Angola e em São Tomé e Príncipe

A nota de abertura dos Bispos de Angola e de São Tomé e Príncipe, em visita ad limina sobre reorganização das estruturas da sua conferência episcopal, dá conta da atenção com que acompanham os desenvolvimentos sobre os temas dos leigos, da família e da vida. De fato, nos moldes da reforma da cúria que levou ao nascimento de nosso Dicastério, até mesmo a CEAST adotou uma abordagem sistêmica ao combinar as comissões Família, leigos e vida em um único organismo.

A família querida por Deus – disseram os bispos que vieram ao Dicastério no dia 12 de junho – é violentada em Angola. Assim, a Igreja centrou todos os três anos na família (família e sacramento do matrimônio; família e reconciliação; família e cultura). Contribui para os mesmos esforços de valorização do bem e da missão da família também a decisão de celebrar as Jornadas Nacionais da família de vez em quando em uma das dioceses do país. Em cada diocese, agentes pastorais especiais estão sendo formados para o acompanhamento das famílias e especialmente os casais jovens.

E os jovens também estão no centro da atenção da Igreja, porque Angola é um país de jovens. A eles dedicado o período de três anos 2018-2020 com os seguintes tópicos: Jovens e fé recebida; Jovens e fé celebrada; Jovens e fé testemunhada. Seguindo o modelo da JMJ, desde 2015, as Jornadas Nacionais da Juventude também são celebradas a cada três anos. Este evento se junta à tradição estabelecida do encontro nacional da juventude, que chegou à sua 24ª edição este ano. Os jovens retribuem esta preocupação abençoando a Igreja angolana com o seu dinamismo e generosidade. De fato, as vocações juvenis são tais que os seminários não são suficientes para acolher a todos.

Falando dos numerosos movimentos e associações leigas – desde os tradicionais até as novas comunidades – os Bispos expressaram seu agradecimento geral por sua contribuição à evangelização. No entanto, eles elogiaram muito o compromisso apostólico da PROMAICA, uma associação nascida dentro da Igreja após a longa guerra civil que ensanguentou o país. Aberta a todas as mulheres angolanas sem distinção, a Promaica desenvolve várias iniciativas de formação e microfinanças destinadas às mulheres que, desta forma, se tornam protagonistas do desenvolvimento comunitário.

Apesar de fazer parte da mesma conferência episcopal com Angola, a realidade de São Tomé e Príncipe merece uma discussão separada. De fato, o país continua sendo um dos mais pobres do mundo, situação que afeta negativamente a instituição da família e dos jovens. As dificuldades econômicas mancham o futuro e semeiam o desespero e as dificuldades sociais de todos os tipos. Portanto, não é surpreendente que muitos sejam facilmente seduzidos pelo radicalismo das numerosas seitas que prometem um futuro mais brilhante, facilitado por uma cultura local fetichista. No entanto, apesar deste quadro sombrio, isso não diminuiu a esperança. É claro que, do lado econômico, o setor de turismo é muito promissor, mas o melhor recurso de São Tomé e Príncipe tem apenas um nome: os jovens. De fato, com uma população formada em 70% dos jovens, o país e a Igreja podem contar com sua proverbial inventividade e coragem para escrever páginas não publicadas de sua história e reverter qualquer destino infeliz.

Finalmente, após a apresentação das atividades do Dicastério, os bispos expressaram um grande interesse pela pastoral do esporte e pela pastoral dos idosos, dois temas sobre os quais pediram e obtiveram amplas explicações.

Ad Limina Visit - Episcopal Conference of Angola