24 de Janeiro de 2019
JMJ 2019

Panamá: Francisco conquista os jovens

No dia da chegada do Santo Padre no Panamá, a JMJ ganha vida com as atividades de grupos de peregrinos: as catequeses, por sua vez, fecunda diálogo entre os jovens e seus bispos sobre o tema da Jornada: “Eis aqui a serva do Senhor, faça-se em mim segundo a Tua palavra”. Então os festivais, eventos espirituais, artísticos, musicais, teatrais, exposições ou simplesmente a festa do encontro de jovens de nações, línguas, culturas diferentes mas de uma única fé e com uma única esperança.

Alguns dados oficiais: mais de 100.000 peregrinos de 156 países se registraram para a JMJ, incluindo

480 bispos e vários milhares de sacerdotes.

As catequeses são ministradas por 380 bispos, em 137 locais e 25 idiomas diferentes.

O serviço da JMJ é garantido por 20.000 voluntários nacionais e 2.445 voluntários internacionais.

2.500 jornalistas são credenciados.

E agora, finalmente, o Papa Francisco está no Panamá! Todos os peregrinos – mas todo o país e, pode-se dizer, toda a América Central – o esperavam com alegria e esperança. E o Santo Padre imediatamente respondeu a essa expectativa quebrando o protocolo e imergindo-se na multidão que esperava no aeroporto, levando uma criança nos braços, dando a todos seu sorriso e sua bênção.

Depois de dez horas de viagem não houve discursos, mas um sorriso – e um sorriso do Papa Francisco – vale mais que mil discursos.

 

Entre memória e mudança

No dia anterior, a grande missa de abertura presidida por Dom José Domingo Ulloa Mendieta, arcebispo do Panamá e celebrada no maravilhoso cenário da “Cinta Costeira”, às margens do Oceano Pacífico; ele viu os jovens peregrinos reunidos; Estima-se 150 mil de 140 países diferentes, Mons. Ulloa agradeceu a todos os presentes: “O Panamá hoje recebe-o de coração e de braços abertos! Este país fez o melhor possível para que cada um de vocês tenha um encontro com Jesus Cristo, Caminho, Verdade e Vida”.

Depois de ter colocado a JMJ sob a proteção de Maria – Santa Maria la Antigua, padroeira do Panamá – o arcebispo continuou em sua homilia: “Obrigado Papa Francisco pela confiança que nos deu e pela oportunidade dada aos jovens da periferia existencial e geográfica”.

Dom Ulloa disse estar convencido de que os jovens não se impressionam facilmente com slogans, mas buscam testemunhas autênticas, promovendo o diálogo intergeracional caro ao Papa Francisco e recordando a recente reunião de jovens indígenas e descendentes de escravos africanos e o compromisso pela memória e por mudança.

Ele então indicou aos jovens o caminho da santidade: “Tenham a coragem de ser santos no mundo de hoje, assim não renunciando a sua juventude ou alegria; pelo contrário, mostrarão ao mundo que é possível ser feliz com pouco, porque Jesus Cristo, a razão da nossa felicidade, já vos conquistou a vida eterna, com a sua Ressurreição”.

Depois da Missa, no mesmo palco, realizou-se um espetáculo em que participaram alguns dos mais famosos artistas panamenhos.