30 de Janeiro de 2020
Idosos

Da vocação à pastoral

A terceira e última sessão do primeiro Congresso internacional "A riqueza dos anos"

Para abrir a terceira e última sessão do Congresso sobre a pastoral dos idosos, realizada no Augustinianum, estava o cardeal José Tolentino de Mendonça, arquivista e bibliotecário de Santa Romana Chiesa, que falou longamente sobre a figura de Abraão dentro de um relatório sobre a vocação dos idosos na Igreja: "Primeiro, Deus lhe pede uma profunda experiência de fé, e Abraão vive a sua fé como uma forma de hospitalidade". Nesse sentido, a Igreja, disse, "precisa que os idosos se tornem mestres de hospitalidade". Então, "Abraão se torna pai de muitas nações, ativando a força geradora da transmissão da fé: transmitir - explicou o cardeal - consiste em integrar o ser humano em uma história. É dizer-lhe: você é isso, faz parte de um passado ou de um futuro, é co-protagonista de uma história comum".

O secretário do nosso Dicastério, Pe. Alexandre Awi Mello, enfatizou que "os idosos têm uma vocação especial: tanto como cidadãos entre seu povo quanto como membros batizados do santo e fiel povo de Deus, eles têm um papel insubstituível em viver e transmitir a cultura, fé, tradições e valores humanos e religiosos". À luz de tudo isso, “a realização deste primeiro congresso internacional da pastoral para os idosos é uma maneira de prestar atenção aos leigos em uma fase muito importante de suas vidas, para preservar o valor e a importância que eles têm em suas famílias e mostrar atenção a uma fase da vida humana que requer muito cuidado e, ao mesmo tempo, possui um grande potencial evangelizador".

Peter Kevern, da Universidade Staffordshire, destacou durante a mesa-redonda que "a fragilidade e a dependência preenchem nossos primeiros dias e nos sombreiam ao longo de nossas vidas: a nossa existência só é possível com a graça de Deus e com a ajuda de outras pessoas, todos os dias. À medida que envelhecemos, podemos nos tornar mais frágeis: mas isso nos torna mais humanos, não menos humanos. A pessoa idosa não está alheio. Ele não é um alheio porque somos todos frágeis, todos necessitados, todos lutando com fraquezas e vulnerabilidades. Quando cuidamos das necessidades dos idosos, não estamos apenas envolvidos em uma das "obras de misericórdia", como são tradicionalmente chamadas. Também não estamos simplesmente envolvidos em um ato de adoração, cuidando dos necessitados que estão mais próximos do coração de nosso Senhor. Também estamos participando - concluiu - de um ato profético revolucionário: encontrar riqueza e significado entre as pessoas que a nossa sociedade às vezes considera insignificantes".

Maria Elisa Petrelli, responsável da Pastoral del Adult Mayor da Conferência Episcopal Argentina, falou da pastoral: “A pastoral da família é o lugar ao qual as pessoas da terceira idade devem pertencer, pois formaram suas famílias e também foram os fundamentos e pilares de suas famílias". À luz de uma pastoral orgânica, como se espera em Amoris Laetitia, "queremos promover e incentivar uma pastoral específica dentro das famílias, que consiste no acompanhamento, cuidado e integração de pessoas da terceira idade".

As conclusões foram confiadas à subsecretária de nosso Dicastério, Gabriella Gambino, que, "considerando a heterogeneidade da situação dos idosos nas centenas de dioceses espalhadas pelo mundo, bem como nos diferentes contextos culturais e sociais", conclui resumindo algumas diretrizes:

- "Considere a grande população de pessoas idosas como parte do povo de Deus: elas têm necessidades particulares que devemos levar em consideração e, por esse motivo, é necessário que as dioceses criem escritórios dedicados à pastoral dos idosos";

- “A pastoral dos idosos, como qualquer pastoral, deve ser inserida na nova estação missionária inaugurada pelo Papa Francisco com Evangelii Gaudium. Isso significa: anunciar a presença de Cristo aos idosos, pois o chamado à santidade é para todos, inclusive para os avós. Nem todos os idosos já se encontraram com Cristo e, mesmo que o encontro tenha acontecido, é essencial ajudá-los a redescobrir o significado de seu próprio batismo em uma fase especial da vida";

- "Não colocar a pastoral dos idosos como um setor isolado, mas de acordo com uma abordagem pastoral transversal";

- "Valorizar os dons e carismas dos idosos, em atividades de caridade, no apostolado, na liturgia";

- “Apoiar as famílias e estar presente quando precisam cuidar dos avós idosos”;

- "Para conter a cultura do descarte". Muitos anciãos, explicou, "pedem para ser hospitalizados para não serem onerosos" e "em alguns países já se propõe a eutanásia - explicitamente condenada pela Igreja - para idosos que estão sozinhos e cansados de viver". Portanto, ele esclareceu, "onde as pessoas se perguntam se sua vida ainda é útil ou interessa a alguém, bem, há um vazio que a pastoral da Igreja deve preencher".

- "Cuidar da espiritualidade do idoso, para que, com a piedade e a prática devocional, seja imerso em um autêntico profundo relacionamento espiritual com Deus. O homem que envelhece não chega ao fim; antes, ele precisa se aproximar de Deus e do mistério da eternidade".

Por fim, o subsecretário garantiu aos numerosos participantes o acompanhamento e o apoio do Dicastério: "Não são necessárias estratégias, mas relações humanas das quais podem surgir redes de colaboração e solidariedade entre dioceses, paróquias, comunidades leigas, associações e famílias. Precisamos de redes sólidas com raízes fortes, não iniciativas fragmentadas e frágeis, mesmo que seja das menores sementes - concluiu - que às vezes nascem os maiores projetos".