18 de Maio de 2021
Orientações JMJ

JMJ nas Igrejas particulares: novas orientações pastorais do DLFV

As diretrizes aprovadas pelo Santo Padre são encorajam toda a Igreja a dar um novo impulso à jornada da juventude celebrada nas realidades locais

 

Experiência de fé e de discernimento vocacional, encontro pessoal entre pastores e jovens (não só os envolvidos na vida da Igreja), ocasião de descobrir e pôr em prática o protagonismo das novas gerações – essas são algumas das várias dimensões da edição local da JMJ salientadas nas “Orientações pastorais para a celebração da Jornada Mundial da Juventude nas Igrejas particulares”, apresentadas hoje na Sala de Imprensa do Vaticano.

O documento, preparado pelo Dicastério para os Leigos, a Família e a Vida, e aprovado pelo Santo Padre Francisco, destina-se “às Conferências episcopais, aos Sínodos das Igrejas Patriarcais e Arquiepiscopais Maiores, às dioceses/eparquias, aos movimentos eclesiais e associações e por fim, mas não menos importante, aos jovens de todo o mundo, para que a ‘JMJ diocesana/eparquial’ seja vivida plenamente como momento celebrativo ‘para os jovens’ e ‘com os jovens’.”

“Acreditamos firmemente que a JMJ internacional a sua edição local se alimentam mutuamente. A dimensão internacional dilata os horizontes dos jovens e abre-os à fraternidade universal. A JMJ local, devido à sua proximidade geográfica e física, pode gerar mais facilmente um engajamento por parte dos jovens, de modo a mudar o rosto da sociedade em que vivem e aumentar neles o sentimento de pertença”, explica o Secretário do DLFV, Pe. Alexandre Awi Mello.

Os primeiros jovens que leram o documento acolheram-no como uma mensagem de proximidade e encorajamento da parte da Igreja, de tanto necessito o mundo dos jovens.

“Quantos jovens, como diz o texto das Orientações, não recusariam ir à Igreja rezar, mas estariam dispostos a participar de uma experiência de peregrinação, para caminhar e descobrir juntos, criar novas amizades e partilhar momentos de alegria!” — ressalta Maria Lisa Abu Nassar, jovem de Nazareth.

A Jornada Mundial da Juventude nasceu em 1985 da intuição profética de João Paulo II. Desde então, tem sido celebrada todos os anos no Domingo de Ramos. Até que, no dia 22 de novembro de 2020, Solenidade de Jesus Cristo Rei do Universo, o Papa Francisco anunciou que, a partir de 2021, a celebração local das JMJ se ligaria ao Domingo de Cristo Rei — uma mudança que recorda e reitera a intenção que anima a JMJ desde os seus inícios: reunir os jovens em torno da pessoa de Jesus Cristo, Redentor dos homens.