27 de Fevereiro de 2022
Leigos

O papel dos leigos e a “corrente da graça” na evangelização

O prefeito e o secretário do Dicastério para os Leigos, a Família e a Vida participaram ao curso online promovido pela Arquidiocese do Rio de Janeiro aos bispos do Brasil
Vescovi Brasile.jpeg

 

O curso para Bispos é um encontro de estudo, aprofundamento e partilha, organizado pela Arquidiocese do Rio de Janeiro e que acontece todos os anos no mês de janeiro, com a participação dos bispos do Brasil.

O papel dos leigos no atual momento da evangelização

Este ano, o prefeito do Dicastério para os Leigos, a Família e a Vida, o Cardeal Kevin Farrell, participou à distância do curso. Na sua apresentação, D. Farrell aprofundou o tema do papel dos leigos na Igreja, com uma ênfase especial na evangelização.

Para entender a importância destes, o Prefeito convidou os bispos do Brasil a refletir sobre o papel dos leigos, fazendo uma simples pergunta: “o que é que só os ministros ordenados podem fazer? E o que é que só os leigos podem fazer?”

O Prefeito respondeu, então, a essas perguntas citando as palavras do Papa Francisco: “Se o coração da identidade do sacerdote está na consagração do pão eucarístico, o centro da missão dos leigos está na consagração do mundo, segundo o projeto de Deus.” (Prefácio do livro de S. Em.ª Fabio Fabene, Sinfonia di Misteri. Una rinnovata presenza dei laici nella Chiesa, Livraria Editora Vaticana - Edições Paulinas, Cidade do Vaticano - Cinisello Balsamo, Milano, 2020)

Continuando o seu discurso, o cardeal abordou o aspecto da identidade e da missão dos leigos. Estes, tocados pela graça que Cristo lhes dá nos sacramentos, iluminados e fortificados pela Palavra ouvida, “vão” ao mundo e transformam-no com a sua própria presença. A sua missão não se limita só a alguns territórios, mas estende-se a todas as regiões da terra e a todos os setores da sociedade. E principalmente passa pelo testemunho da vida. “Viver como cristãos já é evangelizar!”, disse o prefeito do Dicastério.

Renovação Carismática, CHARIS e Novas Comunidades

Durante o encontro online, o Pe. Alexandre Awi Mello, Secretário do Dicastério, apresentou as novas realidades carismáticas, frutos de “um tempo novo no Espírito”. De forma muito concreta, refletiu junto dos bispos sobre a Renovação Carismática, o CHARIS e as Novas Comunidades.

“O Papa considera a realidade da Renovação não como uma associação ou movimento eclesial, mas como uma corrente de graça”, lembrou o Pe. Alexandre Awi aos bispos. Enquanto uma associação ou movimento propões simplesmente um caminho de crescimento na vida cristã entre tantos caminhos possíveis, uma corrente de graça na Igreja é muito diferente, e é isso que caracteriza a Renovação Carismática: a experiência do Batismo no Espírito Santo. Nesse sentido, “a Renovação é uma corrente de graça da qual todos podem se beneficiar”, disse o Pe. Alexandre.

No final da sua elocução, o secretário do Dicastério concluiu insistindo no fato de que isto nos ajuda a “entender que a Renovação Carismática Católica não pertence a seus membros, mas, sim, à Igreja”.