29 de Julho de 2021
Pessoas idosas

Uma nova aliança entre jovens e idosos

Liturgia em São Pedro na primeira Jornada Mundial dos Avós e dos Idosos

Para muitas das 2000 pessoas idosas presentes na basílica de São Pedro domingo passado, a celebração da primeira Jornada Mundial dos Avós e dos Idosos foi a primeira ocasião de sair do isolamento forçado que viviam desde março de 2020. A alegria de poder fazê-lo numa festa tão particular transparecia nos seus rostos.

A liturgia, da qual o Papa não pôde participar pessoalmente por conta da sua convalescência, foi presidida por D. Salvatore Fisichella e concelebrada pelo cardeal Kevin Farrell, prefeito do Dicastério para os Leigos, a Família e a Vida, e do cardeal Angelo De Donatis. Foi uma celebração da aliança entre jovens e idosos, que o Santo Padre fez questão de recordar na homilia que preparou para a ocasião, lida por D. Fisichella: “Hoje há necessidade duma nova aliança entre jovens e idosos, há necessidade de partilhar o tesouro comum da vida, sonhar juntos, superar os conflitos entre as gerações para preparar o futuro de todos. Sem esta aliança de vida, de sonhos, de futuro, corremos o risco de morrer de fome, porque aumentam os laços desfeitos, as solidões, os egoísmos e as forças desagregadoras. Frequentemente, na nossa sociedade, deixamos a vida guiar-se por esta ideia: ‘cada um pensa por si’. Mas isto mata!”

Ninguém se salva sozinho, nem os jovens, nem mesmo os idosos, e por isso é necessário olhá-los com um novo olhar, um olhar contemplativo, como o definiu o Papa: “Os avós e os idosos não são sobras de vida, desperdícios para deitar fora. Mas são aqueles preciosos pedaços de pão deixados na mesa da nossa vida, que ainda nos podem nutrir com uma fragrância que perdemos, ‘a fragrância da misericórdia e da memória’. Não percamos a memória de que os idosos são portadores, porque somos filhos daquela história e, sem raízes, murcharemos. Guardaram-nos no caminho do nosso crescimento, agora cabe a nós guardar a vida deles, aliviar as suas dificuldades, atender às suas necessidades, criar as condições que lhes permitam ver facilitadas as suas tarefas diárias e não se sintam sozinhos. Perguntemo-nos: ‘Visitei os avós? Os idosos da minha família ou do meu bairro? Prestei-lhes atenção? Dediquei-lhes algum tempo?’ Guardemo-los, para que nada se perca: nada da sua vida e dos seus sonhos. Cabe a nós, hoje, prevenir o lamento de amanhã por não termos dedicado suficiente atenção a quem nos amou e nos deu a vida.”

Na sua mensagem para a Jornada, o Papa Francisco tinha confiado aos idosos a tarefa de se tornarem intercessores e protegerem o mundo com a oração. Por isso, ao término da celebração, simbolicamente, cinco idosos, provenientes dos cinco continentes, dirigiram-se, juntamente com os celebrantes, em oração à Virgem Maria.

À saída da basílica, como mais um sinal da aliança entre as gerações, algumas crianças e jovens distribuíram aos avós e aos idosos presentes uma flor e a mensagem que o cardeal Farrel lhes tinha dado para entregarem em nome do Santo Padre.