IYAB

Pela paz no Oriente Médio e no Mundo: Vigília Online dos jovens do IYAB

Uma resposta ao apelo do Papa Francisco
IYAB_VegliaPreghiera.jpeg

 

“Deus não é um Deus de desordem, mas de paz”. Este versículo da primeira carta de São Paulo aos Coríntios serviu de inspiração para a vigília de oração pela Terra Santa, organizada online na noite de 21 de outubro pelos jovens do IYAB (International Youth Advisory Body), órgão consultivo do Dicastério para os Leigos, a Família e a Vida. Uma iniciativa aberta a todos e nascida espontaneamente de uma ideia dos jovens membros do IYAB, na qual participaram 50 jovens de mais de 20 países, incluindo a Terra Santa.

Seguir o apelo do Papa Francisco pela paz

"Perguntamo-nos o que poderíamos fazer para seguir o apelo do Papa Francisco à paz", explicou Emile Abou Chaar, um jovem libanês do IYAB, em uma entrevista à Vatican News, "e decidimos juntos organizar esta oração. Muitas pessoas me pediram , já que eu venho do Líbano e conheço a situação no Oriente Médio, para fazer algo para estar em união com o Papa e refletir. E a melhor coisa que podemos fazer é estar todos unidos em solidariedade e em comunhão espiritual, tentando ajudar a tornar o mundo mais fraterno, pela paz no Oriente Médio."

Rezar intensamente pela paz, pela conversão dos corações

"Há muita confusão e muitas coisas que não podemos compreender sobre o que tem acontecido", destaca Émile, "mas o que podemos fazer é responder ao apelo do Papa Francisco de rezar intensamente pela paz, pela conversão dos corações, porque fazemos parte da mesma comunidade humana. A guerra não resolve problema nenhum, mas os amplifica da forma mais negativa que há. Pessoalmente, tenho contatos com pessoas que estão na Terra Santa, tanto do lado palestino quanto israelense. Todos são vítimas desta situação porque não escolheram essa realidade. Têm realmente muito medo e não entendem. Só lhes resta esperar que tudo se resolva rapidamente. Conhecemos muitas comunidades religiosas, como o responsável pela pastoral juvenil na Palestina. Há realmente uma forte comunhão, e essa comunhão e solidariedade vêm das mesmas pessoas que compõem o povo de Deus."