20 de Fevereiro de 2017
Vietnam

A família é o remédio

Contra divórcios e crises de casais, os bispos vietnamitas lançam o Ano da família

Pelo site da AsiaNews:

“Em 2016, foram registrados mais de 60 mil casos de divórcio em todo o país e a tendência é crescente. A causa da separação são os estilos de vida da família, seguido por adultério e violência. A crise afeta principalmente os jovens casais. Orações e encontros para reconstruir o núcleo fundamental da sociedade”.

Para atender aos desafios da modernidade, para reconstruir o tecido social e pessoal cada vez mais partido e despedaçado, a Igreja vietnamita decidiu dedicar 2017 para a família, que sempre foi considerada a unidade básica e fundante do país. Os bispos decidiram dedicar especial atenção aos novos núcleos em formação, para a qual são previstos seminários e cursos dedicados a casais que se preparam ao matrimônio e a vida familiar.

A principal causa do divórcio é o choque no estilo de vida familiar e problemas cotidianos. Isto é seguido por adultério (25,9%), os problemas econômicos (13%), violência doméstica (6,7%), razões de saúde (2,2%) e o fato de viver distante longitudinalmente. Aquela que causa maior preocupação é que o dado relativo ao aumento das separações não só sobre as cidades e os grandes centros urbanos, mas também nas zonas rurais. Além disso, mais de 70% dos casos de divórcio envolvem casais jovens entre 22 e 30 anos. Neste contexto, mais de 60% das famílias estão casados entre um a cinco anos e já tiveram filhos em comum.

Números alarmantes, o que levou a Igreja Católica a formar catequistas e religiosos, com o objetivo de fortalecer a pastoral familiar através de reuniões, grupos de escuta, aconselhamento e momentos de oração. Já uma resposta ao apelo lançado pelos padres e agentes, que salientou a necessidade de um caminho baseado na fé, o único elemento sobre o qual fundar uma relação de casal que possa ser de fato duradoura.

A Sra. Hien, católica ativa no trabalho social a Đà Lạt, salienta que, se na família há uma “educação moral” cada membro é capaz de “cuidar do outro” e o “risco” de romper os relacionamentos é redimensionado. “O que é importante – adverte – é que os casais saibam pensar e cuidar dos outros, respeitando os valores tradicionais da família vietnamita”.