27 de Janeiro de 2018
Associações e Movimentos

Carismas a serviço dos pastores para a maturidade eclesial

O prefeito Farrel na Jornada de estudo sobre “Carisma e instituição”: “Os movimentos eclesiais despertam a fome da vida divina”.

Os carismas devem ser considerados do ponto de vista da evangelização, não do ponto de vista de uma divisão de poder dentro da Igreja. É na perspectiva da nova evangelização que os carismas podem encontrar o seu justo valor”. Estas foram as palavras do prefeito Kevin Farrell, em seu discurso no Palazzo della Cancelleria em Roma, por ocasião do dia de estudo promovido pelo Centro Evangelii Gaudium do Instituto da Universidade Sophia sob o patrocínio da associação canônica italiana com o tema “Carisma e instituição em movimentos e comunidades eclesiais”.

Nos carismas, o prefeito continuou: “muitas vezes são encontrados - e em abundância! - forças vivas e entusiasmo, capacidade de anúncio, disponibilidade de tempo e de energia, boa formação bíblica e catequética, capacidade de acolhimento fraterno dos não-crentes e dos não praticantes e, por último, mas não menos importante, a linguagem adequada aos homens de nosso tempo”.

O cardeal Farrell então se concentrou nos “carismas contemporâneos”, dos quais se fala na Iuvenescit Ecclesia, que “querem apresentar aos homens de hoje uma proposta de uma vida cristã tendencialmente global, investindo todos os aspectos da existência cristã”.

Assim, “acolher os movimentos eclesiais não significa - ele esclareceu - criar percursos de elite dentro das dioceses e das paróquias, mas oferecer ‘proposta de vida cristã mundial’. Os movimentos nascidos dos novos carismas não produzem ‘profissionais da religião’ dedicados a algum ministério particular, mas cristãos, conscientes de sua fé”.

Os carismas estão, portanto, “a serviço dos pastores”, e certo  “sobre esta relação intrínseca entre a missão de Cristo e a missão do Espírito, se funda a ligação entre dons hierárquicos e dons carismáticos”.

Os carismas e as agregações eclesiais que delas decorrem não são, acrescentou o prefeito, “algo ‘acidental’ mas pertencem à essência da Igreja e, portanto, como os ministros ordenados, nunca falharão na Igreja”. Igualmente “muitos pastores podem confirmar que em países altamente secularizados, quando novos movimentos eclesiais chegam, se desperta nas pessoas uma grande ‘fome de vida divina”.

Continuando em seu discurso, o Prefeito Farrell destacou o fruto da experiência que o Dicastério tem em relação aos movimentos eclesiais, convidando os pastores “a manter sempre um equilíbrio justo e sábio em relação aos carismas eclesiais, tentando harmonizar o dever da hierarquia para apoiar e encorajar os carismas e o dever de discernir, orientar, assistir e corrigir, se necessário, essas realidades”.

Ainda dirigindo-se aos pastores, o cardeal lhes atribuiu duas tarefas: “Respeitando a especificidade de cada carisma evitando a tentação de uniformidade absoluta ou o desejo de impor iniciativas, atividades e estilos de apostolado longe do carisma originário” e “vigiar sobre os conteúdos e sobre os métodos de formação cristã dadas aos seus membros, sobre seu apostolado, etc., de tal maneira que eles estejam sempre em conformidade com a doutrina e a práxis eclesial, que a liberdade das pessoas seja sempre respeitada, que todo tipo de abuso seja evitado e que qualquer forma de exclusivismo, elitismo ou mesmo conflito aberto com a hierarquia ou com o resto do povo de Deus seja evitado, isto é, com os fiéis que não pertencem aos movimentos eclesiais”.

Movimentos eclesiais, o prefeito continuou, “eles podem ser de grande ajuda na revitalização das paróquias” e  “Eles trazem à Igreja tantos frutos da conversão, de autêntica vida cristã, de vocações na vida laical, matrimonial e sacerdotal, somente quando, ao entrarem na vida paroquial e diocesana, são ajudados a ‘ser e a permanecer plenamente eles mesmos”. Por outro lado, os próprios movimentos “devem sempre entender melhor que as intervenções da hierarquia não devem ser consideradas como um elemento estranho que se impõe de maneira autoritária ao carisma, mas como elemento intrínseco a ele”.

Os carismas, de acordo com o cardeal Farrell “são bens dados na Igreja” e “todos os movimentos e comunidades eclesiais são chamados a viver plenamente essa fase de  ‘maturidade eclesial’ que exige a superação de velhos mal-entendidos, de oposições anacrônicas e que os vê agora lançados no trabalho de nova evangelização e de impulso missionário para o nosso mundo cada vez mais secularizado, em plena sintonia e – concluiu – em comunhão de intenção com os próprios pastores”.

Saudações para os presentes, a presidente dos Focolares Maria Voce expressou como “único desejo” o de "responder ao chamado que Deus nos deu, estar a serviço da Igreja com amor e paixão, com um olhar alargado às suas expectativas e as suas necessidades nesta particular estação de Reforma em ressonância de corações com o programa pontifício do Papa Francisco de uma Igreja em saída missionária”. Os dons “que Deus deu aos nossos movimentos e as comunidades eclesiais são tais - acrescentou - na medida em que são reconhecidos da Igreja, na Igreja, pela Igreja e espalham seu perfume no serviço da mesma”. 

“Carisma e istituzione in movimenti e comunità ecclesiali"