22 de Agosto de 2018
Dublim: Teresa Kettelcamp

Dignidade e segurança na era digital

Um membro da Comissão Pontifícia para a Proteção dos Menores fala: “Quem tem a capacidade de ajudar, então tem a responsabilidade de ajudar”

“A Internet pode ser uma porta para o bem ou para o mal. A União Internacional de Telecomunicações, uma agência da ONU, estima que em junho de 2017 51% da população mundial tenha acesso à Internet: são cerca de 3,2 bilhões de pessoas, entre eles 2 bilhões nos países em desenvolvimento, incluindo 89 milhões nos países menos desenvolvidos”.

A partir dos números, a análise conduzida por Teresa Kettlecamp, membro da Comissão Pontifícia para a Proteção de Menores, em seu discurso na mesa redonda sobre o tema “Dignity and Safety in a Digital Age: Facing a New Challenge for Families”.

Se há muitos usos bons e positivos da Internet - explicou - devemos também observar a presença do mal: pornografia infantil, extorsão e exploração on-line, tráfico sexual, ciberbullying e ameaças, vingança pornô (vingança com um fundo pornográfico com a disseminação de imagens íntimas uma vez terminada a relação entre duas pessoas, NDR), sexting (transmissão de imagens íntimas online em chats privados, NDR ), presença de predadores online”.

O que podemos fazer? “A resposta - explicou - pode vir dos princípios inspiradores da nossa Fundação para a proteção universal da infância: em primeiro lugar, a vida é sagrada, porque todos somos feitos à imagem e semelhança de Deus, o Alfa e o Ômega, o Princípio e o fim; Além disso, se acreditamos no que dizemos crer e se acreditarmos no que as Escrituras dizem e isso age em nossas convicções, podemos acabar com o abuso, a pobreza, o racismo, o bullying, o ódio, para citar apenas alguns males. Quem tem a capacidade de ajudar, então tem a responsabilidade de ajudar ”.