17 de Abril de 2018
Vida

O movimento pela vida: "O concebido é um de nós"

Marina Casini Bandini sobre a remoção do manifesto contra o aborto em Roma: "Não contava uma fábula"

"A defesa do inocente que não nasceu [...] deve ser clara, firme e apaixonada, porque está em jogo a dignidade da vida humana, sempre sagrada, e o amor a exige para cada pessoa além de seu desenvolvimento". É assim que o Papa Francisco se expressa na recente exortação apostólica “Gaudete et exsultate”.

Na mesma linha, recordando o que já foi afirmado pelo Tribunal Constitucional, o Comitê Nacional de Bioética e a Convenção Internacional sobre os Direitos da Criança, Marina Casini Bandini, presidente do Movimento Italiano pela Vida, escreve em uma carta após a retirada do manifesto afixado pela Pró vida em Roma.

"O Comitê Nacional de Bioética, três vezes - explica Casini - repetiu que o concebido é um ser humano pleno, é um de nós; [...] e no preâmbulo da Convenção Internacional sobre os Direitos da Criança, os nascituros são considerados equivalentes aos já nascidos". Finalmente, ela recorda, "em 1988, 400 professores universitários, incluindo 16 chanceleres universitários, assinaram a petição dirigida ao Parlamento Europeu pedindo o reconhecimento da dignidade humana do concebido; em 2016, 10 mil médicos testemunharam, perante a Comissão petições ao Parlamento Europeu que o concebido é um sujeito humano. Assim, o manifesto removido - conclui o presidente da MpV - não contou uma fábula".