23 de Maio de 2018
Ad limina

Taiwan, Belo testemunho de um pequeno rebanho

Os bispos da conferência episcopal regional da China (Taiwan) vieram em Visita ad limina em nosso Dicastério no último dia 14 de maio.

Os bispos informaram que em Taiwan, um país de populações tradicionalmente muito religiosas, hoje há um recuo geral da experiência religiosa. Esse fenômeno, do qual nenhuma confissão é isenta, deve-se principalmente ao avanço da secularização e às profundas mudanças sociais e culturais nos estilos de vida. Por exemplo, muito trabalho (até 62 horas por semana em alguns casos) tira de muitas pessoas o espaço para uma vida social e, portanto, também para a vida religiosa.

Neste contexto, até mesmo a Igreja Católica, já numericamente uma pequena minoria religiosa no país, sofre uma crescente e constante diminuição dos fiéis, para a qual o declínio das vocações sacerdotais é uma causa e consequência contributiva.

No entanto, mesmo em uma situação de clara inferioridade numérica, o trabalho e o impacto da Igreja na vida social do país são muito significativos. De fato, através das numerosas escolas e universidades, a densa rede de centros de saúde, centros de reabilitação, hospícios para idosos, faculdades para jovens - todas estruturas fundadas principalmente por congregações missionárias e de dioceses, mas administradas por uma grande e generosa equipe de leigos —, a Igreja oferece um testemunho luminoso de sua fé em Cristo.

Além disso, se trabalha duro para incentivar iniciativas de diálogo fraterno entre as religiões que coexistem na ilha. É filho deste compromisso, o reconhecimento do qual o governo de Taipei concedeu 8 organizações católicas em 2012 com a seguinte motivação: O testemunho cristão como exemplo de integração entre diferentes culturas e crenças e uma fonte de melhoria no nível geral de vida do país”.

No nível inter-eclesial, os bispos reconheceram que ainda há muito a ser feito para que os leigos se engajem mais na vida da Igreja e na obra de evangelização. Por isso, destacaram a necessidade de investir mais recursos em sua formação.

Quanto ao tema da vida, o testemunho dos bispos mostrou que o aborto está no topo dos ataques à vida humana em Taiwan. Por causa do uso generalizado do aborto e da chamada "pílula do dia seguinte", estima-se que mais de 240.000 crianças morram a cada ano em Taiwan. Além disso, por algum tempo a Igreja de Taiwan mobilizou, em uníssono com as confissões das outras religiões, a denúncia da pena de morte ainda em vigor.

Do lado da família, há muitos desafios: a crise do matrimônio entre os jovens que se casam cada vez menos e tem menos e menos filhos; 80% dos católicos se casam com partidos não-católicos, com a consequência de que mais de 50% deles abandonam a Igreja e 34% desistem inteiramente de educar seus filhos na fé; o reconhecimento do casamento entre homossexuais é de fato uma realidade no país, mesmo que o quadro regulatório não o permita formalmente.

Para lidar com essas numerosas ameaças, a Igreja em Taiwan fortalece há alguns anos o cuidado pastoral da família em todos os níveis da Igreja. Para este fim, se multiplicou as oportunidades de estudo e aprofundamento da exortação apostólica pós-sinodal Amoris Laetitia, que serve como uma bússola para o compromisso pastoral ao serviço das famílias.

Finalmente, os bispos falaram entusiasticamente sobre seus jovens, dinâmicos e dispostos a aprofundar seu conhecimento de Cristo e a caminhar na Igreja: eles respondem de maneira tão alegre e numerosa às solicitações dos pastores, entre os quais se destacam a Jornada da Juventude de Taiwan, a Jornada Asiática da Juventude e da edição internacional da Jornada Mundial da Juventude.