29 de Janeiro de 2020
Idosos

O prefeito Farrell: "A riqueza dos anos é um dom a ser acolhido"

Começa hoje no Agostinianum o Primeiro Congresso internacional para a pastoral dos idosos

“A pastoral dos idosos é algo novo. Devemos iniciar um processo e estabelecer um discurso que só pode ser inédito", para que "o nosso compromisso nestes dias possa seja interrogar-nos sobre quais possam ser as linhas de uma pastoral para os idosos". Assim, o cardeal Kevin Farrell, prefeito de nosso Dicastério, abriu hoje no Agostiniano primeiro Congresso internacional da pastoral para os idosos "A riqueza dos anos".

A reflexão do prefeito partiu da "revolução demográfica" que está varrendo o mundo", um daqueles 'sinais dos tempos' - esclareceu - que não podemos deixar de levar em conta também como Igreja: parece que em 2100 o 61 % da população mundial será composta por pessoas com mais de 65 anos e que a população idosa já dobrará nos próximos trinta anos". Tudo isso, acrescentou, "não tem apenas implicações de natureza sociológica, econômica, antropológica e política, mas, acima de tudo, levanta questões e necessidades de natureza espiritual, que exigem nossa ação".

"Em particular, o acompanhamento pastoral de que os idosos precisam é - explicou - uma exigência evidente diante da extensão da vida. Em nossas sociedades, onde a cultura do descarte e a marginalização da fragilidade costumam dominar o imaginário coletivo e as escolhas familiares, políticas e sociais, a 'riqueza dos anos' nem sempre é aceita como a bênção de uma vida longa, isto é, como um dom". Assim, colocar em prática a "pastoral da escuta", o encontro, concluído o prefeito, ao abordar os quase 600 participantes reunidos em todo o mundo "pretende se caracterizar por uma forma tripla de escuta: ouvir os sinais dos tempos, escuta do Magistério e escuta de vossa experiência, para elaborar juntos algumas diretrizes gerais que possam ajudar as dioceses de todo o mundo".

Durante o trabalho da primeira sessão do Congresso, sobre o tema "A Igreja ao lado dos idosos", falou o presidente de Censis Giuseppe De Rita, destacando a percepção errada de que os idosos são "residuais": "Na realidade - disse - eles são a parte mais rica da sociedade. No entanto, existem três perigos: a solidão, a perda de objetivos após a aposentadoria e o conceito de criatividade".

O Presidente da Comunidade de Santo Egídio Marco Impagliazzo falou da urgência de uma "virada pastoral, de atenção e cuidado aos idosos pelas comunidades cristãs: "É necessário que se afirme uma arte do envelhecimento 'para' os outros. Para dar forma a esse novo empreendimento - continuou - é preciso se perguntar se há novas virtudes proféticas ligadas à condição de idoso, certamente diferentes daquelas de um passado já ultrapassado. Os idosos - acrescentou - serão potencialmente uma riqueza para a própria Igreja e para toda a sociedade se souberem viver essa nova abertura de horizontes, na seriedade de um compromisso renovado com os outros e de uma nova missão para um mundo mais humano".

A mesa-redonda "A Igreja ao lado dos idosos" contou com a presença de Dom José Antônio Peruzzo, arcebispo de Curitiba e responsável pela pastoral dos idosos na Conferência Episcopal Brasileira: "A Pastoral dos idosos responde inteiramente ao apelo urgente do Papa Francisco por uma Igreja em saída - disse -. É em nome da Igreja que a pastoral dos idosos está presente nas famílias. Além disso, a prática da leitura orante da Palavra faz parte da formação dos voluntários. É isso que os fortalece e os encoraja a se dedicar com perseverança como discípulos e missionários de Jesus Cristo”.

O cappuccino fr. Moisés Lucondo, que dirige um asilo para idosos no Huambo, Angola, concluiu seu relatório recordando o grito de Rosa Kornfeld-Matte em nome das Nações Unidas em Moçambique anos atrás: “Defendemos a intervenção urgente da Igreja e dos governos africanos, no combate à violência contra o idoso, para que haja atos concretos a seu favor".

PHOTO-2020-01-29-17-32-42