04 de Maio de 2021
Leigos

Quatro “waypoints” para o caminho futuro da Ação Católica

Discurso de boas-vindas do Cardeal Farrell aos participantes da Assembleia Nacional da Ação Católica Italiana

De 25 de abril a 2 de maio, realizou-se a XVII Assembléia Nacional da Ação Católica Italiana, com o título “Tenho um povo numeroso nesta cidade”, em modalidade virtual por motivo da pandemia.

O prefeito do Dicastério quis dirigir a esta importante assembleia — que contava com mais de 800 delegados representando os 270.000 sócios da Ação Católica que elegeram o novo Conselho Nacional — uma mensagem de boas-vindas em que indicava quatro “waypoints” (pontos ou coordenadas) que serão recursos válidos para enfrentar as problemáticas da associação e da sociedade atual, e que serão posteriormente moldados no documento final da assembleia.

“Em primeiro lugar, o Ano Família Amoris Laetitia”, indicou Farrell. “Convido-os a abraçar com entusiasmo este Ano da Família desejado pelo Santo Padre, colocando ao serviço de todas as famílias presentes na Itália a grande experiência pastoral da Ação Católica, e a sua presença tão difusa no país. Sabem que este Ano especial vai-se concluir com o Encontro Mundial das Famílias, que acontecerá em Roma, em junho de 2022. Também este vai ser um grande evento eclesial que envolverá de perto todos vocês da Ação Católica.”

“O segundo ‘waypoint’ é o Ano dedicado a São José. Esta iniciativa pode ser um grande estímulo para a Ação Católica, para promover uma reflexão profunda sobre a função da figura paterna e propor um percurso de formação voltado especificamente para os homens.” O terceiro ‘waypoint’ proposto pelo Prefeito é o ‘apostolado da esperança’. “Neste momento tão difícil de crise, tanto de saúde como econômica e social, que a Itália, junto com todos os países do mundo, tem atravessado por causa da pandemia, é importante que todos os grupos da Ação Católica representem para toda a sociedade um sinal de esperança.”

Para concluir, o último ‘waypoint’: “Por fim, gostaria de sugerir uma atenção particular aos jovens.  Justamente nos momentos de crise, o Papa Francisco acredita que os ‘sonhos’ e ideias dos mais jovens podem ajudar a olhar para frente com confiança. Façam também a mesma coisa. Nunca deixem de acreditar no potencial dos jovens. Não tenham medo de investir tempo e energia na formação espiritual e humana dos jovens, porque eles serão as testemunhas da fé para as próximas gerações.”