08 de Novembro de 2017
Paraguay

Os bispos e a aposta em jovens

A formação para as novas gerações e para a família no centro da pastoral nas igrejas do país na América Latina

Os jovens são a chave para combater os problemas sociais que humilham o Paraguai. Os bispos do país latino-americano estão convencidos que apostaram neles em um plano de formação de três anos, anunciado no ano passado no Santuário Mariano de Caacupé.

Formação e atividades que, se, por um lado, tem o objetivo é formar os jovens de paróquias e movimentos para se tornarem adultos comprometidos e maduros, por outro, ajudará a combater as pragas sociais do Paraguai e torná-lo um país mais honesto e solidário.

Os bispos dos quinze distritos eclesiásticos do país, que vieram a Roma para visitar a Cátedra de Pedro, e que na manhã de segunda-feira, 6 de novembro foram recebidos pelo Papa Francisco, na terça-feira à tarde eles estiveram no Dicastério para os Leigos, a Família e a Vida.

A fotografia que mostrava da Igreja em seu país é de uma realidade diversa, onde se sentem os efeitos da secularização e onde se percebe sempre mais o rompimento entre fé e vida. Leigos muito empenhados no seio da Igreja, mas cujos esforços de formação em contextos sociais e políticos devem ser continuamente promovido e solicitado. Um desafio que os bispos procuram enfrentar com a formação bíblica, sobre o magistério dos papas e a doutrina social da Igreja.

O olhar cuidadoso dos bispos também é direcionado para a família, outra prioridade de sua preocupação pastoral. Também nesta realidade foi um treinamento intensivo e atividade de três anos, que culminou com a visita do Santo Padre ao país em 2015. E os frutos começaram a colher quando houve um maior envolvimento das famílias na vida das igrejas locais, um sinal importante em um país onde a porcentagem de casamentos civis é muito alta, em comparação com os casamentos sacramentais.

Na formação ao sacramento do matrimônio, os bispos também envolvem as associações e movimentos que têm a família no centro do seu carisma, embora enfatizem firmemente que a preparação para a união esponsal começa com o batismo e, portanto, e com isso a formação remota que são apenas as famílias, e muitas vezes os avós, para poder garantir.

Na sequência do triênio das famílias, foram os próprios jovens que propuseram um termo similar de três anos para eles, como explica o vice-presidente da Conferência Episcopal do Paraguai, Dom Ricardo Valenzuela, na entrevista por vídeo divulgada no final da visita.

Ad limina Visit Paraguayan Episcopal Conference