02 de Maio de 2019
Visitas ad limina / Argentina I

Leigos como sal da terra e luz do mundo

Em 29 de abril, nosso Dicastério recebeu o primeiro de três grupos de bispos argentinos que vieram a Roma em uma visita ad limina. Falando em nome de seus confrades, Dom Andrés Stanovnick, bispo de Corrientes e responsável da área da Família dentro da CEVILAF (Comissão Episcopal para a vida, os leigos e a família), ilustrou as numerosas iniciativas pastorais realizadas a serviço dos leigos, da família, da juventude, das mulheres, dos idosos e da vida. Ele então se concentrou na rede articulada dos órgãos da Conferência Episcopal – alguns dos quais foram recentemente estabelecidos – que acompanham essas questões. A partir de seu relato, ficou claro como esse esforço organizacional permanente da Igreja argentina realiza o desejo de adaptar suas estruturas às circunstâncias mutáveis do mundo em que está imerso, para melhor servir ao povo de Deus e viver a sinodalidade.

O prelado louvou a participação dos leigos na vida da Igreja, destacando em particular o compromisso generoso das mulheres, graças ao qual a Igreja consegue expressar sua compaixão e solidariedade aos mais pobres, educa as novas gerações para a fé, reúne os afastados… Quanto à presença transformadora dos leigos nas realidades do mundo, os pastores reconheceram em coro que isso continua pouco incisivo.

E para que os leigos se tornem verdadeiramente “o coração da Igreja no mundo e o coração do mundo na Igreja”, é necessário – segundo os bispos – preencher o seu défice de formação, que muitas vezes se manteve firme na preparação recebida por ocasião dos sacramentos da iniciação cristã. Precisamos dar-lhes as ferramentas para um testemunho eficaz, a partir do anúncio do kerygma. Os bispos esclareceram que esta formação não deve ser entendida apenas no sentido acadêmico e intelectual, mas sobretudo como fruto de um trabalho frutífero de evangelização (por meio de homilias, reuniões pessoais, catequese permanente e dirigida, acompanhamento individual). Deste encontro pessoal com Cristo, novas e autênticas testemunhas credíveis do Evangelho poderão amadurecer, na Igreja, na vida pública, no trabalho, como na família. Na verdade, este é o lugar onde as suas raízes a preparação para o matrimônio remoto tão apregoada para formar bons esposos e pais. É sempre daqui que os leigos gradualmente aprendem a se tornar políticos justos que respeitam o bem comum; aqui eles descobrem a beleza de toda vida humana feita à imagem e semelhança de Deus e aprendem a respeitá-la.

No campo específico de formação e acompanhamento, os bispos dedicaram palavras de elogio às numerosas associações leigas – nacionais e internacionais – que, com entusiasmo e criatividade apostólica, operam no país, colocando ao serviço dos leigos, dos jovens, de mulheres em dificuldade, dos idosos, o frescor de seus carismas e sua rica bagagem de experiências missionárias.

Finalmente, os bispos expressaram seu agradecimento à JMJ no Panamá, na qual, como tradição estabelecida, muitos jovens argentinos participaram, um sinal de como os jovens de hoje ainda têm fome e sede de Deus.

Ao agradecer-lhes pela partilha fraterna, o cardeal Farrell, prefeito do dicastério, instou-os a voltar o olhar e os recursos de iniciativas para lutar contra a cultura atual e a semear a semente da fé nos corações das jovens gerações, através do anúncio do Evangelho porque esta é a missão primordial da Igreja “evangelizar”. Ele os confirmou na escolha do acompanhamento como método apostólico privilegiado: acompanhar os jovens, passar tempo e caminhar com eles; acompanhando casais não apenas no início de sua união, mas também durante sua vida conjugal; acolher, acompanhar e integrar as famílias feridas.

Ad Limina Visit of the Argentinian Episcopal Conference